A dias das Olimpíadas, Francisco reza pelo esporte

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • A fé que ressurge do secularismo e do vírus. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: Jonas | 04 Agosto 2016

“Com o esporte é possível construir a cultura do encontro entre todos por um mundo de paz”. São palavras de Francisco, na mais recente edição do Vídeo do Papa. No clipe viral, o Pontífice refletiu sobre suas intenções de oração para este mês de agosto de 2016. Um tema que coincide com os Jogos Olímpicos que começarão no Rio de Janeiro, na próxima sexta-feira, 5 de agosto.

A reportagem é de Andrés Beltramo Álvarez, publicada por Vatican Insider, 02-08-2016. A tradução é do Cepat.

O vídeo, de um minuto e trinta segundos de duração, começa com a imagem de vários esportistas chutando ou lançando bolas: um jogador de futebol, uma tenista, um jogador de tênis de mesa, um de rúgbi. As imagens mostram o esforço que colocam em seus arremessos. Então, começa a se sentir a voz do Pontífice.

“Sonho com o esporte como a prática da dignidade humana, convertida em um veículo de fraternidade. Treinemos juntos este pedido? Que o esporte fomente o encontro fraterno entre os povos e contribua para a paz no mundo”, apontou.

Ao passo que vai chegando ao final de suas palavras, os balões lançados pelos atletas começam a destruir um muro de concreto. Lentamente, a parede vai sendo derrubada, até que, juntos, no final, todos os esportistas acabam demolindo-a.

“Frente aos grandes desafios do mundo de hoje, frente à violência e a barbárie que surge, mais do que nunca o esporte, como encontro fraternal entre os povos, é necessário. Há tantos medos! Conhecemo-nos tão mal! O esporte pode contribuir fortemente para derrubar os muros que nos separam. Espero que o encontro olímpico mundial contribua para gerar uma cultura do encontro ao serviço da paz”, explicou Frédéric Fornos, o sacerdote jesuíta diretor da Rede Mundial de Oração do Papa, o movimento católico que idealizou O Vídeo do Papa.

A rede não é nada mais que o novo nome do histórico Apostolado da Oração, um serviço que nasceu em 1849 e que, desde então, se encarrega de distribuir entre todos os fiéis católicos as intenções que o Bispo de Roma tem para cada mês. Por mais de um século, o movimento cresceu e se estendeu até se tornar uma referência mundial. Mas, nas últimas décadas, seus métodos de trabalho ficaram obsoletos. Entrou em um declínio que não se estancava e iria conduzir a uma crise sem retorno.

“As pessoas rezavam, mas muito poucos. Ainda havia milhões de católicos inscritos, mas muitos grupos eram de pessoas idosas que rezavam pelas intenções do Papa. Era como se a linguagem já não falasse, como se as formas utilizadas por estes serviços já não falassem às novas gerações”, explicou Fornos.

Por isso, decidiu-se colocar o Apostolado em um processo de reforma profunda, uma “recriação”. Um começar de novo. E assim identificar rotas para o futuro. Tudo começou em 2010, graças – entre outras coisas – ao impulso do próprio padre Fornos. O movimento mudou de nome, agora se chama Rede Mundial de Oração do Papa, e estabeleceu um novo logotipo.

Então, surgiram novas ideias. Primeiro, O Vídeo do Papa, uma forma de se aproximar das reflexões do Pontífice para ilustrar suas intenções até então só distribuídas por escrito. Rapidamente, a iniciativa viralizou e atingiu mais de 500 milhões de pessoas no mundo. Números recordes. Em seguida, veio Click To Pray, uma ferramenta nova para aqueles que, já sendo fiéis comprometidos, desejam interatuar em sua oração diária. Trata-se de uma comunidade que inclui um inovador aplicativo para telefones celulares, um blog e uma lista de endereços eletrônicos.

Todos estes projetos foram aprovados pelo próprio Papa que, em dezembro de 2014, deu sinal verde ao projeto intitulado: “Um caminho com Jesus em disponibilidade apostólica”. E como resultado de todo este trabalho, em fins de julho, Francisco nomeou oficialmente Fornos como diretor internacional da Rede Mundial de Oração do Papa e seu ramo de jovens, o Movimento Eucarístico Juvenil (MEJ).

As novidades não pararão por aí. A partir de 2017, a forma como se escolhe as intenções do Papa mudará, após quase 100 anos. Até agora, as duas intenções mensais do Pontífice eram preparadas com quase um ano de antecedência. Por isso, passava muito tempo entre o período em que eram redigidas e aprovadas, até os fiéis as rezarem. Mas, a partir do próximo ano, as coisas vão mudar, porque uma das duas intenções será escolhida pelo próprio líder católico, no início de cada mês.

“Atualmente, estamos em um mundo de imediatismo, todos querem estar em relação direta com o Papa. Nossa estrutura de comunicação havia ficado defasada. Tínhamos intenções muito gerais, que não correspondiam à atualidade e, além disso, sempre estávamos fora das preocupações imediatas do Papa”, explicou Fornos.

Por isso, das duas intenções que o Pontífice proporá todos os meses, uma será mais espiritual e geral e a outra tocará a atualidade imediata, problemas específicos da realidade.

“A Rede Mundial de Oração do Papa quer nos tirar de um mundo de indiferença para entrar na cultura do encontro, porque todos os meses nos abre uma janela sobre uma preocupação do Santo Padre em relação ao mundo. Tira-nos de nosso pequeno universo, que às vezes nos asfixia, sem que percebamos”, seguiu o sacerdote.

E apontou: “É uma maneira de ajudar a Igreja a se despertar, envolver-se com o problema apresentado em cada mês. Sair de um conforto da fé, porque às vezes estamos em uma fé cômoda, uma fé tranquila e que o mundo não nos incomode. Mas, se o Evangelho não nos incomoda, não é o espírito de Deus que nos conduz”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A dias das Olimpíadas, Francisco reza pelo esporte - Instituto Humanitas Unisinos - IHU