O Jesus de Pasolini em debate no IHU

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Mudanças climáticas: uma oportunidade para a teologia se libertar do passado. Artigo de Bruno Latour

    LER MAIS
  • É proibido esquecer Auschwitz e o maior roubo da história

    LER MAIS
  • O extermínio na hora do almoço. Artigo de Corrado Augias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Fevereiro 2016

Fonte: www.esquerda.net
O Instituto Humanitas Unisinos - IHU promove um Ciclo de Atividades “O Cuidado de nossa Casa Comum” (10 de março a 03 de maio), numa perspectiva transdisciplinar, considerando as diversas implicações que da temática emergem: crise ambiental, ecologia integral, gestão ambiental, mudanças climáticas, teologia da criação e diferentes iniciativas voltadas para o cuidado do meio ambiente e sustentabilidade. As atividades pretendem ser reflexivas e relacionais buscando interagir os diversos saberes, numa autêntica fusão de horizontes, respeitando suas fronteiras e dispondo-se numa postura dialogal na mútua colaboração do pensar público e relevante ao ser humano desses tempos. 

Baixe o folder do evento em PDF.

Na programação, dia 23 de março (quarta-feira), das 14h30min às 16h, contempla-se um espaço de debate a partir da exibição do filme “O Evangelho segundo são Mateus” de Pier Paolo Pasolini (França, Itália, 1964, Drama, 133min), com a mediação do conferencista MS Marcus Mello (Sala PF Gastal, Usina do Gasômetro – Porto Alegre/RS). O filme foi indicado para o Prêmio Oscar e recebeu o Grande Prêmio da Oficina Católica do Cinema. Depois de 50 anos, o filme é reabilitado e reconhecido pelo Vaticano como a melhor obra cinematográfica sobre Jesus”. Inaugurando um tempo de perdão e misericórdia ao invés de descaso e "condenação do limbo". 

 

“Embora Pasolini tenha feito uma releitura do livro de Mateus,
ele contribui para a sociedade moderna
‘resgatando a humanidade de Cristo,
pois até 1964 as pessoas conheciam
um Cristo loiro, alto e de olhos claros’”.

Vanildo Luiz Zugno
O Cristo marxista de Pasolini

 

Fonte: lidianacinema.blogspot.com
O filme “O Evangelho segundo São Mateus” é inspirado na narrativa de Mateus sobre a vida, ações, palavras de Jesus, o profeta-poeta nazareno daqueles que não tinham vez.  Nele encontra-se um enredo marcado pela pura poesia, expressando aquilo que Pasolini possuía de mais “irracional” na sua atração por Cristo. Na condição de ateu professo, a questão de Deus sempre permanecerá aberta (digna do próprio Mistério que a concebe), não aceitava que Jesus era o Filho de Deus, porém percebia no seu modo de ser plenamente humano algo diferencial: um ser divino. Ele era atraído pela simplicidade e proximidade com que Jesus, transformava os “miseráveis” de seu tempo em pessoas dignas.

 

“O fato de ser um ateu não retira de Pasolini
o dom e a capacidade de retratar Jesus com profundidade e beleza”.

Faustino Teixeira
Revista IHU On-Line 412

 

É a poesia do absurdo e do escândalo. Nela o poético torna-se drama. Porque assume a prosa da existência. Em Jesus, especialmente no evento da encarnação, ocorre aquilo que permite uma tônica teológica singular e fundamental para entender seja o Jesus de Pasolini seja o Jesus dos Evangelhos – afinal de contas são os mesmos: a kénosis. O rebaixamento de um Deus que se faz gente, ou ainda, um galileu, um nazareno. Ser de Nazaré equivale ser “alguém que nada valia” para o sistema politico, social e religioso de seu tempo.

"Eu certamente não procuro o escândalo. Deus é escândalo neste mundo.
O Cristo, se voltasse, seria novamente o escândalo.
Ele já o foi no seu tempo e voltaria a sê-lo hoje.
É um Deus que destrói a boa consciência conquistada a bom preço,
no abrigo da qual vivem ou vegetam os bem-pensantes,
os burgueses, encerrados em uma falsa ideia de si mesmos."

Silvia D'Onghia
O olhar de Cristo, há 50 anos.

O Jesus de Pasolini perpassa esse transfundo de proximidade daqueles que “não são nada” - simbolizado nos personagens comuns do filme –, através de uma ação transformadora, mas, sobretudo de uma palavra e um discurso que faz bem como possibilidade ética do agir transformador. Aqui encontramos os dois elementos centrais do filme: “Não vim trazer paz, mas espada” e o “Sermão da montanha” (ou ainda, os discursos de Jesus). É o rompimento kenótico com um Jesus açucarado ou superstar, sem carne e sem proposição concreta na vida das pessoas. Ao ser “descontruído” por Pasolini revela-se na genuinidade e na experiência real de Jesus de Nazaré, como é narrado nas Escrituras. Nesse sentido, chegamos à própria experiência de Pasolini, que não quer simplesmente a dessacralização, mas desmantelar os ídolos para que ressurja aquilo que é essencial.

O grito profético-poético de Pasolini, encontra uma Igreja dogmática e política, que não se afastou do ensinamento do Evangelho. É uma Igreja distante dos fiéis. As leis/normas são mais importantes que o amor e a caridade. Não é capaz de falar ao ser humano do seu tempo dos riscos e perigos que uma sociedade do consumo poderia implicar. Não é uma critica rançosa (tipicamente de anticlericais, ateus e marxistas), mas contundente e permanece relevante na atualidade, sobretudo encontrada na atração pelo Cristo que propriamente concebia. Em meio a duras críticas, uma admiração por João XXIII que nasce de sua abertura as questões importantes de seu tempo.

"Instintivamente, estendi a mão ao criado mudo,
peguei o livro dos Evangelhos que estava no quarto
e comecei a ler desde o início,
isto é, a partir do primeiro dos quatro Evangelhos,
aquele segundo Mateus.
A ideia de um filme sobre os Evangelhos
também tinha me vindo outras vezes,
mas aquele filme nasceu ali, naquele dia, naquelas horas.
O único, portanto, ao qual eu podia dedicar aquele filme
não podia ser senão ele, o Papa João XXIII".

Pasolini

 

 Para acessar o filme "O Evangelho segundo são Mateus"

Versão em espanhol clique aqui

Versão em italiano clique aqui 

 

Fonte: sensesofcinema.com
Pier Paolo Pasolini, nasceu em Bolonha, no dia 05 de março de 1922. Foi um cineasta, poeta, professor e escritor italiano. Homossexual assumido e comunista militante, Pasolini virava pelos avessos em seus filmes temas como política, história, sexo e religião. Em seus trabalhos, Pasolini demonstrou uma versatilidade cultural única e extraordinária, que serviu para transformá-lo numa figura controversa. Foi um sujeito com uma existência autêntica e provocante. Não se intimidou e através de sua arte manifestou sua crítica poética e erudita a uma sociedade italiana consumista. Tornou-se um desafeto para muitos e foi assassinado em Óstia, no dia 2 de novembro de 1975.

Filmes para conhecer Pasolini

  • Teorema (1968) Chegada de um estranho convulsiona e transforma família burguesa.
  • O Evangelho Segundo São Mateus (1964) Do nascimento à ressurreição, Jesus Cristo é representado como um líder revolucionário.
  • Decameron (1971) Primeiro filme da Trilogia da Vida, com episódios satíricos extraídos da obra de Boccaccio.
  • Pocilga (1969) Com histórias em tempos diferentes, aborda a degradação moral provocada pela sociedade de consumo.
  • Desajuste Social (1961) Conhecido por seu título original, Accattone, nome do cafetão que explora prostitutas em Roma.

Em 2015, Abel Ferrara reconstitui as horas finais do polêmico diretor italiano Pasolini. O filme acompanha as suas ideiais para um filme não realizado, sua última entrevista polêmica, os textos provocadores contra a ordem estabelecida e a relação com os desejos homosexuais. 

Para acessar o filme "Pasolini" clique aqui

Por Jeferson Ferreira Rodrigues

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Jesus de Pasolini em debate no IHU - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV