Queimadas no bioma Amazônia em dezembro de 2022 tiveram alta de 73% em relação ao mesmo mês do ano anterior

Mais Lidos

  • Eucaristia e Casa Comum: entre a vida e o ouro. Artigo de Pe. Dário Bossi

    LER MAIS
  • Para Ailton Krenak, o capitalismo “teve metástase”

    LER MAIS
  • Mataram uns 12 milhões de indígenas, contabiliza Las Casas. Artigo de Edelberto Behs

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

25 Janeiro 2023

O ano de 2022 se encerrou com altos índices de queimadas na Amazônia, quase 115 mil focos de incêndio foram registrados pelo Programa de Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o número é o maior registrado pela série histórica desde 2010 e representou um aumento de 53% em relação a 2021.

A reportagem é de Nicole Matos, publicada por Portal Amazônia, 20-01-2023.

Somente em dezembro, foram registrados 2.743 focos de incêndios no bioma, situação incomum para o período, que costuma ser marcada pelas chuvas e índices amenos. Houve uma alta de 73%, em relação ao mesmo período do ano anterior, quando foram identificados 1.584 focos.

Gráfico: Portal Amazônia/Aldrey Riechel

Geografia das queimadas

Todos os estados tiveram aumentos nos índices de queimadas ao longo de 2022 e um dezembro atípico.

O Pará foi o líder em queimadas ao longo de 2022 com mais de 41 mil focos, um aumento de 81% em relação ao ano anterior, quando foram detectados 22,9 mil focos. Em dezembro, o estado também se destacou: o aumento foi de 126% de 2021 para 2022.

No Amazonas, segundo colocado, o ano de 2022 registrou o maior número de focos de incêndio de toda a série histórica registrada pelo Inpe. Foram 21.217 no total, o dobro de focos em comparação com a média anual calculada desde 1998. Em dezembro o número de focos de incêndio foi quatro vezes maior que o mesmo período do ano anterior, 182 contra 43 em 2021.

Mato Grosso, ocupou o terceiro lugar com mais de 21 mil focos e um aumento de 63% em relação a 2021. Um destaque foram os incêndios que ocorreram no Parque Cristalino II, que consumiram mais de quatro mil hectares do local que é considerado uma área prioritária na conservação da Amazônia. Em dezembro o total de incêndios registrados foi de 159 focos.

Em Rondônia, 12,5 mil focos foram registrados em 2022 pelo Deter, número 24% maior do que em 2021. O aumento no mês de dezembro foi de 125% em comparação com o mesmo período do ano anterior. No Acre, foram registrados 11.840 focos de queimadas, o segundo maior número desde 1998, menor apenas que o total de focos registrados em 2005 (15.993). O mesmo ano teve três recordes mensais, os meses de janeiro, setembro e novembro representaram os meses com maior número de focos registrados desde o início da série histórica, em 1998.

No Maranhão, houve uma alta de quase 22% de 2021 para 2022, com mais de 3 mil focos apontados no ano passado. Somente durante o mês de dezembro foram registrados 617 focos de queimadas.

Em Roraima e Amapá, o aumento foi de 23% e 46%, respectivamente. No mês de dezembro o aumento dos focos em Roraima foi de 146% maior em 2022 em comparação ao mesmo mês de 2021. Os números em Tocantins foram de 369 focos, um aumento de mais 47% em relação ao ano de 2021.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Queimadas no bioma Amazônia em dezembro de 2022 tiveram alta de 73% em relação ao mesmo mês do ano anterior - Instituto Humanitas Unisinos - IHU