Herança de Bolsonaro é a barbárie

Mais Lidos

  • Como o PT abraçou o Centrão e deixou Marina e Sonia à deriva

    LER MAIS
  • Febre e cansaço do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Agroecologia: Os modos de ser, de produzir e de lutar. Artigo de Denise de Sordi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

28 Novembro 2022

"Bolsonaro jamais pensou que perderia as eleições de tantas benesses distribuídas com recursos federais a brasileiros e brasileiras, mas com prazo de vencimento. Agora tenta subterfúgios de todo tipo para melar o resultado das urnas", escreve Edelberto Behs, jornalista. 

Eis o artigo.

O bloqueio de rodovias e as ridículas manifestações em frente a quartéis em várias cidades brasileiras não se limitam mais apenas a um tema político. Além desses “heróis da resistência” exporem o país ao ridículo, questionando a eficiências das urnas – só as do segundo turno, claro, num verdadeiro complexo de vira-lata, pois o Brasil não consegue produzir uma urna confiável – o assunto extrapola e entra no campo da desumanidade.

Talvez o caso mais emblemático ocorreu na quarta-feira, 23, na rodovia BR-364, em Sorriso, Mato Grosso, onde uma dessas barreiras criminosas impediu um pai, desesperado, de levar o seu filho de 9 anos, com cirurgia agendada, até o hospital em Cuiabá. O garoto sofreu um acidente na escola e precisava dessa segunda cirurgia para não perder o globo ocular.

“Aqui não vai passar”, berrou um ‘capitão do mato’, tosco, grosseiro, pouco se importando se o garoto ia perder o olho: “Que fique cego!” O pai do garoto é, segundo O Globo, Éder Rodrigues Boa Sorte. Ironia das ironias, eleitor de Bolsonaro! O outro filho de Éder, de 10 anos, pediu ao pai que se afastasse daquele bando de idiotas, criminosos, quando a discussão entre eles ficou mais acalorada. Foi uma autêntica cena da barbárie instalada no país. Agora, espera-se que esse dono da rodovia seja identificado e se defronte com as barras da Justiça, quiçá com as barras de uma cadeia.

Essa a herança que Bolsonaro e suas investidas de apoio à aquisição de armas deixou ao país. Desde candidato, mostrou desprezo a negros, pobres, indígenas, trabalhadores, favelados. Tripudiou doentes afetados pela covid. Foi um administrador relapso ao não adquirir a vacina de combate à pandemia em tempo hábil levando, assim, à morte de pelo menos 400 mil brasileiros e brasileiras. Bolsonaro estava incorporado naquele “capitão de mato”, dono da rodovia, que impediu a passagem de um pai desesperado para conduzir seu filho a uma cirurgia.

O silêncio de Bolsonaro após a derrota é corresponsável pelo clima de rebeldia que o país assiste. Assim como o presidente da República, são corresponsáveis esses generais que não acabam com essa palhaçada em frente aos quartéis, considerada área de segurança nacional, onde manifestantes “contra o comunismo” são admitidos sem qualquer represália.

Defender a democracia, no país de Bolsonaro, é ser “comunista”, “desordeiro”, “vagabundo”, e o que mais? Esses que atravancam rodovias, se postam em frente a quartéis, portam a bandeira brasileira onde consta a insígnia “Ordem e Progresso”, são os primeiros, no entanto, a provocar, no momento, desordem e impedir o progresso. Quanta mercadoria perecível foi perdida com as tais barreiras?

Bolsonaro é um monstro, desumano, pior que lobo vestido em pele de cordeiro, que vem com belos versículos bíblicos e slogans para iludir brasileiros e brasileiras. E o pior: consegue o apoio de boa parte dos evangélicos, que embarcam aceitando mentiras, fake news, armamentismo...

Como entender a atitude desse “cristão” deixar pessoas sedentas sem acesso à água? Dai-lhes de beber, ensina o texto bíblico. O presidente que defende Deus, pátria e família cortou os recursos para o abastecimento de água potável em estados do Nordeste, deixando cerca de 1,6 milhão de famílias sem o abastecimento necessário à condição de vida! E onde foi que o corte ocorreu! No interior do Nordeste! Será represália por Lula ter vencido por larga margem de votos a corrida presidencial nas urnas nordestinas?

A Operação Carro-Pipa, informa o Brasil de Fato, é financiada com recursos do Exército em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR). Essa operação vinha acontecendo há 20 anos!

Na medida em que Bolsonaro não assume formalmente a derrota e venha até a mídia, as redes sociais, reconhecer que perdeu a corrida eleitoral, o país continuará assistindo esses atos criminosos. Com o seu silêncio, Bolsonaro incita a criminalidade.

Bolsonaro jamais pensou que perderia as eleições de tantas benesses distribuídas com recursos federais a brasileiros e brasileiras, mas com prazo de vencimento. Agora tenta subterfúgios de todo tipo para melar o resultado das urnas.

Ele ainda quer “vencer” as eleições jogando fora das quatro linhas. Bom, não seria vencer, mas golpear o pleito. É crime atentar contra o Estado de Direito e isso vem sendo incentivado por um presidente da República, de um partido que teve sua bancada no Congresso aumentada nas eleições, mas denuncia falha nas urnas no segundo turno. É demais para a inteligência de qualquer ser pensante, cidadão, respeitador das leis e da ordem.

Se eu não ganhar, o jogo não vale. Esse o espírito dos “democratas” que pedem a intervenção militar, sem se darem conta que já vivemos, não faz muito tempo, sob um regime militar, autoritário, e o que representou às liberdades cidadãs. Vão estudar um pouco de história, de ética, de sociologia, de filosofia, de política, mas, principalmente, sobre comunismo, para não demonstrarem tanta ignorância em praça pública.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Herança de Bolsonaro é a barbárie - Instituto Humanitas Unisinos - IHU