Papa Francisco, por que um pontificado “líquido” não é possível

Mais Lidos

  • Eucaristia e Casa Comum: entre a Vida e o ouro. Artigo de Pe. Dário Bossi

    LER MAIS
  • Para Ailton Krenak, o capitalismo “teve metástase”

    LER MAIS
  • Mataram uns 12 milhões de indígenas, contabiliza Las Casas. Artigo de Edelberto Behs

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

27 Julho 2022

 

"Até o Papa Francisco sabe que um pontificado “líquido” pode existir, talvez, em questões de menor importância. Mas quando se trata de doutrina, em algum momento, ela tem que voltar a tomar decisões sólidas e concretas", escreve Andrea Gagliarducci, em artigo publicado por Monday Vatican, 25-07-2022

 

Eis o artigo. 

 

O grande sociólogo polonês Zygmunt Bauman, falecido em 2017, cunhou a expressão “sociedade líquida” para descrever a sociedade atual. Ou seja, uma sociedade em que tudo é relativizado, em que todos os pontos de vista são válidos e relativos, e em que não se procede de acordo com as próprias convicções, mas está convencido de tomar esta ou aquela posição.

 

A sociedade líquida é o resultado extremo do mundo individualista, que quer garantir direitos a todos e, ao fazê-lo, impõe uma ditadura contra aqueles que se opõem a alguns desses direitos e que demonstram que esses direitos não são naturais, mas artificiais.

 

Se a Igreja é também o espelho da sociedade, como é verdade, então o risco é que a abordagem dos homens da Igreja seja precisamente a de uma sociedade líquida. Ou seja, uma abordagem menos enraizada na doutrina e na dos pais e mais enraizada no sentimentalismo transitório ou na ideia de misericórdia. É claro que o certo e o errado permanecem, mas são conceitos vagos de fundo, que, entre outras coisas, não podem ser propostos, muito menos impostos, a ninguém.

 

Os efeitos dessa abordagem também foram vistos durante o pontificado do Papa Francisco. O Papa Francisco usou uma abordagem particularmente “fluida” para as situações, mostrando habilidades camaleônicas para mudar de ideia e posturas muito inteligentes que não equivaliam a tomar uma posição.

 

Por exemplo, a diplomacia do Papa Francisco é “fluida” quando foca tudo nas relações pessoais com chefes de estado ou governos. Então ele acredita que sua mera presença na China, hoje em Moscou, poderia ser suficiente para garantir a liberdade religiosa e um cessar-fogo, porque é importante primeiro abrir processos. O Papa Francisco procura novos parceiros quando vê que os parceiros mudam de rumo.

 

Mesmo o caminho das reformas do Papa Francisco é “fluido” porque foi por tentativa e erro, com uma ideia geral de querer uma Igreja em saída, mas certamente sem uma estrutura real de pensamento que se preocupasse com a história, a tradição e as tarefas da Igreja, instituições que iriam mudar. Na verdade, o Papa Francisco tem usado com mais frequência o sistema de motu prórprio para legislar.

 

Por fim, há a abordagem de temas significativos, realizada com ferramentas leves, como cartas apostólicas ou exortações apostólicas. O Papa Francisco trabalha pessoalmente para quebrar toda estrutura possível de poder ou resistência. No entanto, ao fazê-lo, ele não se preocupa com as relações internacionais e coloca a própria instituição em risco – veja as possíveis consequências do recente julgamento do Vaticano.

 

São aproximações ao mundo; a história dirá se eles estão certos ou errados. De fato, a história já mostrou ao Papa Francisco que não pode haver um pontificado “líquido” porque isso cria mais problemas do que soluções.

 

Uma história que veio à tona na forma do Caminho Sinodal da Igreja na Alemanha. Na prática, para responder à crise da Igreja, que é também uma crise dos fiéis, a Igreja na Alemanha convocou um Sínodo, enfatizando que suas decisões sobre questões como sexualidade e sacerdócio seriam obrigatórias. O Papa Francisco enviou uma carta em 2019, sublinhando que essas decisões só poderiam ser tomadas pela sede. No entanto, os bispos alemães continuaram em seu caminho. E assim eles seguiram em frente com uma série de propostas.

 

Deve-se dizer que o Papa Francisco quis abrir o caminho sinodal em todo o mundo porque o Sínodo sobre a sinodalidade viu várias Igrejas locais apresentarem-se com propostas limítrofes. Os bispos franceses chegaram tendo contratado uma consultoria externa para mediar divergências, e os bispos suíços adotaram recomendações semelhantes às do Sínodo alemão. Os bispos belgas também não estavam longe das propostas alemãs.

 

Eles o fizeram, no entanto, dentro de um processo sinodal, com a ideia de trazer essas ideias à mesa do Sínodo Geral. Por outro lado, o Sínodo da Igreja na Alemanha pretende continuar seu caminho e concluí-lo sozinho.

 

Assim, era necessária uma segunda carta, uma declaração da Santa Sé publicada em 21 de julho, que começava por dizer que “para proteger a liberdade do povo de Deus e o exercício do ministério episcopal, parece necessário especificar que o Caminho Sinodal na Alemanha não tem poder para obrigar os bispos e os fiéis a assumir novas formas de governar e novas abordagens da doutrina e da moral”.

 

A carta explicava que “ não seria lícito iniciar novas estruturas ou doutrinas oficiais nas dioceses antes de um acordo acordado em nível da Igreja universal, o que representaria uma ferida à comunhão eclesial e uma ameaça à unidade da Igreja. ”

 

E concluiu com a esperança de que “as propostas do caminho das Igrejas particulares na Alemanha convergirão no caminho sinodal que a Igreja universal está percorrendo, para um enriquecimento mútuo e um testemunho daquela unidade com a qual o corpo da Igreja manifesta sua fidelidade a Cristo Senhor.”

 

Essa postura fala de uma necessidade de clareza. No entanto, dado que o Papa Francisco não assinou a declaração, pode-se dizer também que não foi ele que a quis e que, ao contrário, quer uma autêntica renovação na Igreja e que a Cúria está bloqueando seu projeto.

 

O fato de a carta evitar colocar o Papa em primeiro plano não significa que o Papa discordou. De fato, ele concordou. Caso contrário, a carta não teria sido publicada. Afinal, até o Papa Francisco sabe que um pontificado “líquido” pode existir, talvez, em questões de menor importância. Mas quando se trata de doutrina, em algum momento, ela tem que voltar a tomar decisões sólidas e concretas. Caso contrário, você corre o risco de caos. E é o caos que já ocorreu em muitos casos.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco, por que um pontificado “líquido” não é possível - Instituto Humanitas Unisinos - IHU