Em meio à derrocada democrática, a ordem é encantar a política. Artigo de Robson Sávio Reis Souza

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa Franciso, mais uma vez, surpreende. Artigo de Eduardo Hoornaert

    LER MAIS
  • Movimentos no pós-pandemia. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • “Não podemos mais ignorar o debate sobre a redução da jornada de trabalho porque funciona para muitas empresas”. Entrevista com Pedro Gomes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Mai 2022

 

"São múltiplas as vozes que, frente à deterioração rápida e violenta das instituições democráticas brasileiras têm, com lucidez, se insurgido contra os desejos autoritários que rondam nosso país", escreve Robson Sávio Reis Souza,  pós-doutor em Direitos Humanos, doutor em Ciências Sociais, coordenador do Núcleo de Estudos Sociopolíticos da PUC Minas, onde também é professor do Departamento de Ciências da Religião, membro da Sociedade Teologia e Ciências da Religião (Soter). 

 

Eis o artigo. 

 

Está cada vez mais evidente a necessidade da união de múltiplos setores da sociedade brasileira na defesa da democracia e na proteção ao que resta da Constituição de 1988. Nossa carta magna é aviltada diuturnamente pelo chefe de Estado de plantão e um Congresso, salvo exceções, que age quase que exclusivamente na defesa de interesses de corporações e grupos de pressão dos segmentos mais obtusos da Nação.

 

São múltiplas as vozes que, frente à deterioração rápida e violenta das instituições democráticas brasileiras têm, com lucidez, se insurgido contra os desejos autoritários que rondam nosso país.

 

O diagnóstico do caos político e institucional aponta para a necessidade de se envidar esforços no enfrentamento à guerra de afetos, eivada de notícias falsas, manipulação religiosa e tensionamento social promovida por setores reacionários do governo, do Congresso e da sociedade, com o objetivo de espalhar o medo, provocar o caos e possibilitar a consolidação de formas de governos que golpeiam a democracia, patrocinados por atores políticos que não têm quaisquer compromissos com o Estado Democrático de Direito.

 

Neste sentido, é alvissareira a união de várias entidades ligadas a movimentos eclesiais em torno do projeto “Encantar a Política”, lançado recentemente pelo Conselho Nacional do Laicato do Brasil, o Centro Nacional de Fé e Política Dom Helder Câmara, a Comissão Brasileira de Justiça e Paz, o Movimento Nacional de Fé e Política, o Núcleo de Estudos Sociopolíticos da PUC Minas, entre várias outras entidades nacionais e regionais.

 

Projeto Encantar a Política. (Foto: Divulgação)

 

O projeto tem como objetivo atuar na formação do eleitorado brasileiro, por meio de um processo que possibilite uma leitura crítica do momento atual e que aponte para o exercício de uma cidadania ativa com vistas à retomada do processo de consolidação da democracia inclusiva em nosso país. A iniciativa busca uma formação e consciência política permanentes para as próximas eleições.

 

Dentre as ações do projeto estão previstos materiais de mobilização social, formação política e comunicação, como vídeos, podcasts, cards para as redes sociais. Um curso sobre estratégia de campanha eleitoral está sendo oferecido para candidatos de segmentos populares e a publicação de um Caderno de Estudos sobre a participação política é o principal instrumento para a mobilização social e trabalho de base do projeto.

 

Segundo o arcebispo de Belo Horizonte e presidente da CNBB, Dom Walmor Azevedo, que apresenta o Caderno de Estudos, “a fé cristã, autenticamente vivida, pode oferecer contribuições para debelar dos costumeiros 'tons de guerra' que emolduram deliberações na esfera pública. Não é atitude de fé promover ataques que simplesmente buscam destruir aqueles de quem se discorda. (...) E nenhum cristão pode permanecer alheio à tarefa de contribuir para que a sociedade se torne mais justa, solidária e fraterna: é compromisso de fé dedicar atenção à política, buscando resgatar a sua nobre vocação – singular expressão da caridade”.

 

 

Considerando a criminalização da política utilizada, inclusive pela mídia, em doses cavalares nos últimos tempos para afastar o cidadão de todos os processos de participação democrática e do processo eleitoral, desacreditando-o, lê-se noutro trecho do Caderno que “a política deve ser tratada como Arte porque ela é a prática do fazer bem feito, colocando em ação aquilo que é anseio coletivo. Isso implica obrigatoriamente em tomar decisões, fazer opções, definir prioridades. Diante das muitas necessidades e anseios da coletividade, quais devem ser definidos como prioridade? Esta é a grande questão política. Não é possível satisfazer a todos. Pelo menos, não é possível satisfazer a todos igualmente. Quem faz política tem que optar, tem que assumir algumas prioridades. E o critério será sempre o maior bem comum”.

 

Que o projeto Encantar a Política, juntamente com milhares de outras ações individuais e coletivas que se organizam e associam em torno da defesa da democracia, dos direitos humanos, da Constituição de 1988 e do Estado de Direito dê frutos numa renovação geral dos quadros políticos nos parlamentos e no Executivo, com a eleição de homens e mulheres que tenham na política o exercício do bem comum.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Em meio à derrocada democrática, a ordem é encantar a política. Artigo de Robson Sávio Reis Souza - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV