Igreja de Jerusalém chama assassinato de jornalista palestina de ‘tragédia flagrante’

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • “O populismo autoritário se apropria da linguagem da soberania popular”. Entrevista com Pierre Dardot

    LER MAIS
  • No feijão, retrato do libera-geral de venenos

    LER MAIS
  • Pastor pede escusas por ter discriminado homossexuais

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Mai 2022

 

O Patriarcado Latino de Jerusalém condenou o assassinato de uma jornalista palestina pelas forças israelenses.

 

A reportagem é de Inés San Martín, publicada por Crux, 12-05-2022.

 

“Esta flagrante tragédia traz de volta à consciência humana a necessidade de encontrar uma solução justa para o conflito palestino, que se recusa a cair no esquecimento apesar de 74 anos se passarem desde a Nakba”, diz um comunicado divulgado pelo Patriarcado na quinta-feira.

 

Nakba – que significa desastre – é o termo usado pelos palestinos para o deslocamento de centenas de milhares de árabes após a Guerra da Independência de Israel.

 

A jornalista Shireen Abu Akleh, uma jornalista palestina-americana veterana da Al Jazeera, teria sido morta pelo exército israelense durante a cobertura do ataque do exército ao campo de refugiados de Jenin na manhã de 11 de maio, na Cisjordânia ocupada.

 

 

Testemunhas oculares disseram que o homem de 51 anos foi baleado no rosto por uma única bala, apesar de usar um colete de imprensa.

 

Abu Akleh foi chamado de “um exemplo de dever e uma voz forte para seu povo” na declaração do patriarca.

 

O Patriarcado abrange católicos de rito latino em Israel, Palestina, Jordânia e Chipre e é chefiado pelo Patriarca Pierbattista Pizzaballa, um franciscano italiano.

 

O jornalista Ali al-Samoudi também ficou ferido, mas conseguiu atravessar a rua e chegar a um ponto de segurança. O patriarcado disse que rezou pelo “resto da alma de Shireen” e pela recuperação do jornalista ferido, bem como “por todos os jornalistas do mundo que corajosamente realizam seu trabalho”.

 

De acordo com a Associated Press, o ministro da Defesa de Israel, Benny Gantz, prometeu uma investigação transparente e disse que estava em contato com autoridades americanas e palestinas. Os militares israelenses inicialmente sugeriram que Abu Akleh poderia ter sido morto por disparos de palestinos, mas Gantz foi mais cauteloso na noite de quarta-feira. "Estamos tentando descobrir exatamente o que aconteceu", disse ele. “Não tenho conclusões finais.”

 

“Pedimos uma investigação completa e urgente de todas as circunstâncias de seu assassinato e que leve os responsáveis à justiça”, disse o comunicado do patriarcado.

 

Abu Akleh era um rosto respeitado e familiar no Oriente Médio, conhecida por sua cobertura na Al Jazeera árabe das duras realidades da ocupação militar sem fim dos palestinos por Israel, agora em seu 55º ano. Ela era amplamente reconhecida na Cisjordânia e também era cidadã dos EUA.

 

 

A notícia de sua morte ressoou em toda a região, com muitos governos árabes condenando o assassinato.

 

Entre aqueles que pediram uma investigação independente e completa sobre o que aconteceu estão a Palestina, vários legisladores dos EUA e o secretário de imprensa da Casa Branca, que chamou a falecida jornalista de “lenda da reportagem” e sua morte uma “perda trágica e uma afronta à liberdade de imprensa em todos os lugares”.

 

“Pedimos uma investigação imediata e completa e total responsabilidade”, tuitou Jen Psaki.

 

No início do dia, o embaixador dos EUA em Israel, Tom Nides, twittou que estava “muito triste” ao saber sobre o assassinato da jornalista e pediu “uma investigação completa sobre as circunstâncias”.

 

Até agora, 2022 foi um dos anos mais mortíferos para os jornalistas: no México, pelo menos 11 repórteres foram mortos, três deles na última semana. Na Ucrânia, pelo menos 14 jornalistas civis e trabalhadores da mídia morreram fazendo reportagens sobre o conflito.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Igreja de Jerusalém chama assassinato de jornalista palestina de ‘tragédia flagrante’ - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV