Garimpo ilegal causa prejuízo socioambiental de R$ 31,4 bilhões

Mais Lidos

  • Papa Francisco: conservadores assustados com a possível escolha de um jovem bispo progressista para o ex-Santo Ofício

    LER MAIS
  • “Foi ele (Bolsonaro) que matou”, denuncia Davi Kopenawa

    LER MAIS
  • O Papa pede "cuidar das homilias, porque são um desastre" e que não ultrapassem dez minutos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

25 Novembro 2021


Estudo aponta que, entre 2019 e 2020, foram comercializadas 174 toneladas de ouro pelo Brasil.


Não há dados precisos sobre o volume de ouro contido no leito dos rios amazônicos. Há décadas, porém, as margens e os fundos de grandes rios da margem direita do grande Amazonas, como o Madeira, Tapajós, Jamanxin, Teles Pires e Xingu são alvos de ações criminosas de garimpeiros. Atualmente, centenas de balsas de garimpo ilegal estão reunidas no Rio Madeira e a Polícia Federal prepara uma ação para conter o avanço da exploração e dos danos ambientais na região.

 

Balsa Rio Madeira, Amazonas (Imagem: Google Maps)

 

A reportagem é de André Borges, publicada por O Estado de S. Paulo, 25-11-2021.


Um estudo realizado neste ano pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) estima que, entre 2019 e 2020, foram comercializadas 174 toneladas de ouro pelo Brasil. Esse volume seria suficiente para encher a caçamba de 11 caminhões "toco" – ou semipesados – de ouro puro. Do total, 49 toneladas saíram de áreas com evidências de irregularidades.

Segundo o levantamento, 13% das áreas de lavra mencionadas como o local de origem do ouro não tinham evidência de exploração, portanto, provavelmente o metal era originário de áreas ilegais. Os demais 87% envolviam áreas exploradas para além das autorizações de lavra de fato concedidas.

Conforme o estudo, assinado pelo Centro de Sensoriamento Remoto e o Laboratório de Gestão de Serviços Ambientais (UFMG), além do Ministério Público Federal, estima-se que o ouro ilegal explorado entre 2019 e 2020 tenha causado um prejuízo socioambiental de aproximadamente R$ 31,4 bilhões.

A íntegra da reportagem pode ser lida aqui e aqui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Garimpo ilegal causa prejuízo socioambiental de R$ 31,4 bilhões - Instituto Humanitas Unisinos - IHU