Marcha contra a Fome denuncia insegurança alimentar e carestia

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • A ruptura interna no tecido católico brasileiro. Artigo de Faustino Teixeira

    LER MAIS
  • “Não é uma guerra entre a Rússia e a Ucrânia, é uma guerra pela reorganização da ordem mundial”. Entrevista com Maurizio Lazzarato

    LER MAIS
  • Vamos ao encontro de nossa própria destruição? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Novembro 2021

 

Em São Paulo, onde ato terminou com distribuição de alimentos, organizadores estimaram em até 20 mil o número de manifestantes.

 

Manifestantes foram às ruas de diversas cidades brasileiras contra políticas que aprofundam a fome no país. Marcha em São Paulo reuniu cerca de 20 mil pessoas (Foto: MTST)

 

A reportagem é publicada por Rede Brasil Atual - RBA, 14-11-2021.

A Marcha contra a Fome, realizada ontem (13) em várias cidades, denunciou a insegurança alimentar no país e o aumento de preços de itens básicos para a população, como o gás de cozinha, além do fim de políticas públicas. Em São Paulo, por exemplo, após passeata que saiu da estação Paraíso do metrô, na zona sul, o ato terminou na praça da Sé. Houve distribuição de alimentos e ato ecumênico celebrado pelo padre Júlio Lancelotti (Pastoral do Povo de Rua) e pelo pastor Ariovaldo Ramos (Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito). No Rio de Janeiro, a mobilização ocorreu na praia do Leblon, também na zona sul.

Organizado pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e pela Frente Povo sem Medo, o ato contra a fome em São Paulo percorreu a avenida 23 de Maio, corredor que liga as regiões norte e sul da cidade. “Não aguentamos mais a miséria provocada pelo governo Bolsonaro. O alto custo do gás, da comida, a falta de auxílio emergencial e o fim do Bolsa Família jogam, cada vez mais, o povo na invisibilidade”, afirmaram os organizadores em redes sociais. Eles estimaram em 20 mil o número de manifestantes.

 

Inflação e cesta básica

 

O protesto ocorre em um momento de alta da inflação, que atinge itens básicos, como alimentos, gás de cozinha e energia, sem contar os combustíveis. Além disso, os preços dos produtos da cesta básica continuam subindo. Quem ganha salário mínimo, por exemplo, consome quase 60% da renda líquida com a cesta, de acordo com os cálculos feitos mensalmente pelo Dieese.

O MTST lembrou dos atos realizados ainda durante a ditadura contra a carestia. O Movimento do Custo de Vida (MCV), por exemplo, surgiu em 1978, a partir da articulação de mulheres em São Paulo. A origem se dá ainda em 1973, quando são organizados “clubes de mães” na periferia da zona sul paulistana. Com apoio da Igreja Católica, por meio das Comunidades Eclesiais de Base.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Marcha contra a Fome denuncia insegurança alimentar e carestia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV