Camponeses ocupam e montam acampamento permanente nos armazéns da CONAB em Colatina, Espírito Santo

Mais Lidos

  • As responsabilidades das Forças Armadas no golpe. Artigo de Jean Marc von der Weid

    LER MAIS
  • “Gostaria de mais casos de anulação de casamento. Ajuda a curar o sofrimento da separação”, afirma cardeal Zuppi

    LER MAIS
  • Terra Yanomami tem 363 mortes registradas no 1º ano do governo Lula

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

13 Julho 2016

O ato iniciado no dia 11 de julho, ao meio dia, reuniu cerca de 1.000 camponeses e camponesas de todo o estado do Espírito Santo as margens do Rio Doce em uma celebração ecumênica, lembrando o crime cometido pela Samarco e pela BHP Billiton, que despejou uma grande onda de resíduos de minério com o rompimento de uma barragem em Mariana - MG e exigindo ações concretas do poder público na punição dos responsáveis e recuperação imediata do rio em um pedido de SOS feito com os manifestantes.

A informação foi enviada por Movimento dos Pequenos Agricultores - ES, 11-07-2016.

Após a celebração, a manifestação seguiu pacífica pelas ruas de Colatina até a Companhia de Abastecimento (CONAB), local em que foi montado acampamento permanente até que sejam atendidas reivindicações dos camponeses que são; Anistia das dívidas contraídas pelo crédito agrícola do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF), devido a forte seca que vem atingindo o estado nos últimos dois anos e comprometeu as safras, inclusive as do ano de 2017, levando as famílias camponesas ao endividamento; Crédito Emergencial Subsidiado, para que dê garantia digna de vida as famílias no campo, pelo período que durar a seca e a implementação de um programa de recomposição florestal para devolver dinâmica ao solo e assim funcionar como uma ferramenta de equilíbrio natural do clima.

Com a chegada dos camponeses aos armazéns da CONAB, foi observado pelos presentes que praticamente toda a estrutura estava vazia, logo não cumprindo com as obrigações de regularização dos estoques de alimentos no país e de acordo com uma pessoa que não quis se identificar, "o vazio na CONAB é uma forma de ampliar o processo de sucateamento da companhia e assim privatizá-la com a desculpa de que não funciona" a pessoa ainda conclui afirmando que "já houveram cortes com pessoal que trabalha no local".

No período da noite um grupo contendo todas as representatividades, foi a uma sessão na Câmara de Vereadores de Colatina a convite do vereador Laudeir Cassaro (PT) e que embora sem o cumprimento das regras de inscrição na plenária popular, esta foi aceita por unanimidade e Maria Emilia (Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Colatina) em seu discurso comentou que a pauta dos trabalhadores e trabalhadoras é justa e defende não somente o campo, como também a cidade, pois todos os municípios da região tem sua base alicerçada na agricultura familiar.

Imagens enviadas por Movimento dos Pequenos Agricultores - ES.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Camponeses ocupam e montam acampamento permanente nos armazéns da CONAB em Colatina, Espírito Santo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU