Ondas de calor marinhas trarão impactos negativos graves sobre os estoques globais de peixes

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • A guerra de Putin e Kirill. “O pluralismo religioso nunca foi um problema para a democracia, mas hoje o pluralismo ético moral é para as democracias.” Entrevista com José V. Casanova

    LER MAIS
  • Ucrânia, Terceira Guerra Mundial e o guia do Papa Francisco para a Igreja. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS
  • Das cinzas da hiperglobalização pode surgir uma globalização melhor. Artigo de Dani Rodrik

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Outubro 2021


Anos extremamente quentes eliminarão centenas de milhares de toneladas de peixes disponíveis para captura ainda neste século, além das diminuições projetadas nos estoques de peixes devido às mudanças climáticas de longo prazo, de acordo com um novo estudo da UBC.

A reportagem foi publicada por University of British Columbia e reproduzida por EcoDebate, 04-10-2021. A tradulção e a edição são de Henrique Cortez

Pesquisadores do Instituto UBC para os Oceanos e Pescarias (IOF) usaram um modelo complexo que incorpora temperaturas extremas anuais do oceano em Zonas Econômicas Exclusivas, onde ocorre a maioria das capturas globais de peixes, em projeções relacionadas ao clima para peixes, pescas e suas comunidades humanas dependentes.

Modelando um cenário de pior caso, onde nenhuma ação é tomada para mitigar as emissões de gases de efeito estufa, eles projetaram uma queda de 6% na quantidade de capturas potenciais por ano e 77% das espécies exploradas são projetadas para diminuir em biomassa, ou a quantidade de peixes por peso em uma determinada área, devido aos anos extremamente quentes. Essas reduções estão além das projetadas devido às mudanças climáticas de longo prazo em escala decadal.

 

Os números

No Pacífico Canadá, projeta-se que as capturas de salmão Sockeye diminuam em 26% em média durante um evento de alta temperatura entre 2000 e 2050, uma perda anual de 260 a 520 toneladas de peixes. Com as perdas devido às mudanças climáticas, quando ocorre um extremo de temperatura na década de 2050, a redução total na captura anual seria de mais de 50% ou 530 a 1060 toneladas de peixes.

Prevê-se que as capturas de anchoveta peruana diminuam em 34% durante um evento de temperaturas extremamente altas entre 2000 e 2050, ou mais de 900.000 toneladas por ano. Com a mudança climática, projeta-se que um extremo de temperatura custará à pesca peruana de anchoveta mais de 1,5 milhão de toneladas de seu potencial de captura.

No geral, um evento extremo de alta temperatura é projetado para causar uma queda de 25% na receita anual para a pesca peruana de anchoveta, ou uma perda de cerca de US $ 600 milhões.

Estima-se que cerca de 3 milhões de empregos no setor relacionado à pesca da Indonésia serão perdidos quando ocorrer um extremo de temperatura em suas águas entre 2000 e 2050.
Projeta-se que alguns estoques aumentem devido a esses eventos extremos e mudanças climáticas, mas não o suficiente para mitigar as perdas.

Durante eventos extremos de temperatura do oceano e no topo das mudanças de temperatura projetadas a cada década, os pesquisadores projetaram que as receitas da pesca seriam cortadas em uma média de três por cento globalmente, e o emprego em dois por cento; uma perda potencial de milhões de empregos.

“Essas temperaturas anuais extremas serão um choque adicional para um sistema sobrecarregado”, disse o autor principal, Dr. William Cheung, professor e diretor do Instituto de Oceanos e Pescarias da UBC (IOF). “Vemos que nos países onde a pesca já está enfraquecida por mudanças de longo prazo, como o aquecimento do oceano e a desoxigenação, adicionar o choque dos extremos de temperatura exacerbará os impactos a um ponto que provavelmente excederá a capacidade de adaptação dessas pescarias. não muito diferente de como COVID-19 estressa o sistema de saúde, adicionando uma carga extra. ”

Prevê-se que eventos de temperaturas extremas ocorram com mais frequência no futuro, diz o coautor Dr. Thomas Frölicher, professor da divisão de clima e física ambiental da Universidade de Berna. “As ondas de calor marinhas de hoje e seus graves impactos sobre a pesca são os termômetros do futuro, pois esses eventos estão gerando condições ambientais que o aquecimento global a longo prazo não criará por décadas.”

Algumas áreas serão mais afetadas do que outras, descobriram os pesquisadores, incluindo ZEEs na região do Indo-Pacífico, particularmente águas ao redor do Sul e Sudeste Asiático e Ilhas do Pacífico; o Pacífico Tropical Oriental e a área que se estende ao longo da costa do Pacífico das Américas; e alguns países da região da África Ocidental.

Em Bangladesh, onde os setores relacionados à pesca empregam um terço da força de trabalho do país, um evento de calor marinho extremo deve cortar dois por cento – cerca de um milhão – dos empregos pesqueiros do país, além dos mais de seis milhões de empregos que irão até 2050 devido às mudanças climáticas de longo prazo.

A situação é igualmente sombria para o Equador, onde os eventos de temperaturas extremas são projetadas para impactar adversamente um adicional de 10 por cento, ou cerca de US $ 100 milhões, da receita de pesca do país em cima da redução de 25 por cento esperada em meados do século 21 .

“Este estudo realmente destaca a necessidade de desenvolver maneiras de lidar com os extremos de temperatura marinha, e em breve”, disse Cheung. “Esses extremos de temperatura são muitas vezes difíceis de prever em termos de quando e onde ocorrem, especialmente nos pontos quentes com capacidade limitada de fornecer previsões científicas robustas para suas pescarias. Precisamos considerar essa imprevisibilidade quando planejamos adaptações a longo prazo das Alterações Climáticas.”

Cheung disse que a gestão ativa da pesca é vital. As possíveis adaptações incluem o ajuste das cotas de captura em anos quando os estoques de peixes estão sofrendo de eventos de temperatura extrema ou, em casos graves, o fechamento da pesca para que os estoques possam se reconstruir. “Precisamos ter mecanismos para lidar com isso”, disse Cheung.

Será importante trabalhar com as pessoas afetadas por tais opções de adaptação ao desenvolvê-las, já que algumas decisões podem exacerbar os impactos nos meios de subsistência das comunidades, bem como na segurança alimentar e nutricional, disse a coautora Dra. Colette Wabnitz, pesquisadora associada da IOF e cientista-chefe do Stanford Center for Ocean Solutions. “As partes interessadas são diversas e incluem não apenas a indústria, mas também as comunidades indígenas, a pesca em pequena escala e outros. Eles devem estar envolvidos nas discussões sobre os efeitos das mudanças climáticas e das ondas de calor marinhas, bem como no projeto e implementação de soluções.”

 

Referência:

Marine high temperature extremes amplify the impacts of climate change on fish and fisheries
William W. L. Cheung, Thomas L. Frölicher, W. Y. Lam, Muhammed A. Oyinlola, Gabriel Reygondeau, Rashid Sumaila, Travis C. Tai, Lydia C. L. Teh and Colette C. C. Wabnitz
Science Advances • 1 Oct 2021 • Vol 7, Issue 40 •
DOI: 10.1126/sciadv.abh0895
Article has an altmetric score of 227

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ondas de calor marinhas trarão impactos negativos graves sobre os estoques globais de peixes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV