Pesquisa relaciona o derretimento do gelo marinho da Antártica com as mudanças climáticas nos trópicos

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Até quando? Editorial do L’Osservatore Romano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

19 Março 2020

A diminuição do gelo marinho se traduz em oceanos mais quentes, mais chuva e ventos fortes nos trópicos.

A reportagem é publicada por University of California San Diego e reproduzida por EcoDebate, 18-03-2020. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

A perda de gelo no Ártico e na Antártica será responsável por cerca de um quinto do aquecimento previsto para os trópicos, de acordo com um novo estudo liderado por Mark England, cientista climático polar do Scripps Institution of Oceanography da Universidade da Califórnia em San DiegoLorenzo Polvani, Maurice Ewing e J. Lamar Worzel, professor de Geofísica na Columbia Engineering e supervisor de doutorado da Inglaterra.

Embora exista um corpo crescente de pesquisas mostrando como a perda de gelo do mar Ártico afeta outras partes do planeta, este estudo é o primeiro a considerar também o efeito de longo alcance do derretimento do gelo do mar antártico, disse a equipe de pesquisa.

“Achamos que isso pode mudar o jogo, pois mostra que a perda de gelo nos dois pólos é crucial para entender as futuras mudanças climáticas tropicais”, disse a Inglaterra sobre o estudo financiado pela NASA e pela National Science Foundation. “Nosso estudo abrirá uma direção até agora inexplorada e motivará a comunidade científica a estudar os grandes efeitos que a perda de gelo do mar antártico terá no sistema climático”.

Os anos de 2017 e 2018 estabeleceram recordes para a extensão mínima do gelo marinho na Antártica. Inglaterra e colegas da Escola de Engenharia da Universidade da Columbia, da Universidade Estadual do Colorado e do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica do Colorado usaram simulações por computador para ver quais cenários se desenrolam perto do equador se esse declínio continuar até o final do século. Eles descobriram que a perda de gelo do mar da Antártica se combina com a perda de gelo do mar do Ártico para criar padrões de vento incomuns no Oceano Pacífico que suprimirão o movimento ascendente da água fria e profunda do oceano. Isso provocará o aquecimento do oceano na superfície, especialmente no Oceano Pacífico equatorial oriental. O aquecimento é uma característica bem conhecida do padrão climático El Niño, que muitas vezes traz chuvas intensas para as Américas do Norte e do Sul e secas para a Austrália e outros países do Pacífico ocidental.

À medida que a água oceânica da superfície esquenta, também cria mais precipitação. No geral, os pesquisadores acreditam que a perda de gelo nos dois pólos se traduzirá em um aquecimento do oceano na superfície de 0,5 no Equador e adicione mais de 0,3 milímetros (0,01 polegadas) de chuva por dia na mesma região.

Este estudo se junta a várias novas análises do impacto global da perda de gelo polar, incluindo uma análise de janeiro do físico da Scripps Oceanography, Charles Kennel, sugerindo que o encolhimento do gelo do Ártico pode alterar as principais características do El Niño no futuro.


Referência:

England, M.R., Polvani, L.M., Sun, L. et al. Tropical climate responses to projected Arctic and Antarctic sea-ice loss. Nat. Geosci. (2020).

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pesquisa relaciona o derretimento do gelo marinho da Antártica com as mudanças climáticas nos trópicos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU