Falta de água e saneamento atingem crianças nos países em conflito

Mais Lidos

  • Especialização em Protagonismo Feminino na Igreja: experiência de sororidade e crescimento humano integral

    LER MAIS
  • Católicos versus Evangélicos no Brasil: “guerra de posição” x “guerra de movimento”. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    LER MAIS
  • No meio do caminho estava o CIMI: 50 anos do documento-denúncia “Y-Juca-Pirama” e a atuação do Pe. Antônio Iasi Jr, SJ

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

28 Mai 2021

 

Relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) relata a repercussão do impacto de ataques a instalações de água e saneamento em países sob conflitos bélicos. O estudo aponta que 48 milhões de pessoas carecem dos serviços de água e saneamento nos Territórios Palestinos, na República Centro-Africana, no Iraque, Paquistão, Sudão, Síria, Ucrânia e no Iêmen.

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista. 

“Água sob Fogo”, divulgado na semana passada, destaca que em países frágeis crianças abaixo dos cinco anos têm vinte vezes mais probabilidade de morrer em decorrência de doenças diarreicas do que por violência.

“Os ataques à infraestrutura de água e saneamento são ataques às crianças”, afirmou o diretor de Programas de Emergência do Unicef, Manuel Fontaine. A água, frisou, “é um meio de sobrevivência que nunca deve ser usado como tática de guerra”.

Mas não é isso que o relatório constata. No leste da Ucrânia ocorreram quatro ataques às instalações de água desde o início do ano. Desde 2017, foram 380 ataques que deixaram 3,2 milhões de pessoas sem água.

Em seis anos de conflito, o Iêmen registrou 122 ataques aéreos contra infraestruturas hídricas. Entre março de 2015 e fevereiro deste anos, 15,4 milhões ficaram sem esse serviço. Resultado: a epidemia de cólera afeta milhares de crianças por semana.

Nos Territórios Palestinos 1,6 milhão de pessoas não contam com serviços básicos por causa dos 95 ataques às 142 instalações de água e saneamento. No Iraque, são 1,85 milhão de pessoas e na Síria 12,2 milhões.

O Unicef emitiu apelo urgente às partes em confronto que acabem com os conflitos e que, de modo especial, cessem os ataques aos serviços de água e de saneamento cumprindo, assim, obrigações de proteção às crianças. O Fundo pede a doadores que invistam nesses serviços, considerados a primeira linha na defesa contra doenças transmissíveis.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Falta de água e saneamento atingem crianças nos países em conflito - Instituto Humanitas Unisinos - IHU