Pequim critica o Papa Francisco por seus comentários sobre os uigures

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Inaugurado o novo escritório do Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados na UNISINOS: um sonho de Pedro Arrupe

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

25 Novembro 2020

Em seu novo livro, lançado em 1º de dezembro, o pontífice fala do sofrimento padecido pela minoria muçulmana no Xinjiang. Para os chineses, a posição do Santo Padre "não tem base factual". O drama dos campos de internamento. Analistas: O papa é cauteloso sobre o assunto para não pôr a perder o acordo sobre a nomeação dos bispos.

A reportagem é publicada por AsiaNews, 24-11-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

O governo chinês criticou o Papa Francisco por seus comentários sobre o sofrimento padecido pelos uigures no Xinjiang. Zhao Lijian, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, disse hoje que as declarações do pontífice "não têm base factual". Ele respondeu que "todos os grupos étnicos do país usufruem de pleno direito à sobrevivência, ao desenvolvimento e à liberdade religiosa".

O trecho contestado por Pequim consta do último livro de Francisco ("Ritorniamo a sognare” [Vamos voltar a sonhar]), que será lançado no dia 1º de dezembro. Junto com aquelas dos uigures, o Santo Padre cita as perseguições aos muçulmanos rohingya em Mianmar, dos yazidis no Iraque e dos cristãos no Egito e no Paquistão.

De acordo com dados de especialistas, confirmados pelas Nações Unidas, mais de um milhão de uigures (de uma população de quase 10 milhões) e outras minorias islâmicas de língua turca estão arbitrariamente detidos no Xinjiang, que a população local chama de "Turquestão Oriental". Ativistas de direitos humanos e muitos governos, entre os quais os Estados Unidos e a União Europeia, descrevem os centros de detenção como verdadeiros campos de internamento. Depois de negar sua existência por anos, Pequim agora os chama de instituições educacionais para combater o terrorismo, o separatismo e o extremismo islâmico.

É a primeira vez que o pontífice se pronuncia sobre a repressão a uma minoria religiosa na China. Segundo vários observadores, sua cautela se explica pelo desejo de chegar a um acordo para a renovação do acordo sino-vaticano sobre a nomeação de bispos chineses, ocorrido no mês passado.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pequim critica o Papa Francisco por seus comentários sobre os uigures - Instituto Humanitas Unisinos - IHU