Pandemia incentiva ações solidárias, diz presidente da Globethics

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Para ser ouvida, a Igreja precisa mudar de método. Entrevista com Jean-Claude Hollerich, relator do próximo Sínodo

    LER MAIS
  • A Europa e a guerra da Ucrânia. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS
  • “O virtual não pode ser tudo, porque se for tudo, a vida não faz sentido”. Entrevista com Cédric Durand

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Abril 2020

Não se pode medir a proteção à vida com critérios econômicos, já que a economia deveria permitir a vida. Mas se o sistema financeiro desmorona, o número de vítimas será ainda maior. “O fato de basear-se unilateralmente em medidas de saúde ou de economia significa aceitar que ocorram vítimas adicionais”.

A informação é de Edelberto Behs, jornalista.

A análise é do professor Christoph Stückelberger, presidente e fundador da globethics.net, uma rede mundial com sede em Genebra que impulsiona ações e reflexões relacionadas às questões de ética, de modo especial através da sua biblioteca virtual. 

A pandemia não levanta novas questões éticas, mas ela os escancara. Na prática, explica, “tomamos decisões sobre a vida e a morte, não apenas em situações extremas como a pandemia. Coisas como a quantidade de ajuda ao desenvolvimento que proporcionamos”, e até mesmo o preço que se paga por uma manga procedente de Gana , “têm repercussões concretas na viabilidade e na vida de outras pessoas”. 

Em entrevista à Sandra Hohendahl-Tesch, do Portal da Igreja Reformada suíça, Stückelberger frisa que o acesso aos recursos e sua distribuição é a questão mais importante de justiça. A pandemia levanta de imediato o tema de como a humanidade deve se orientar como sociedade. Ele faz perguntas: 

- Chamemos isso de ética ou não, sempre existem questões de valores, como: quanto vale a saúde? Quem deve ser protegido? Como se distribuem os escassos recursos existentes? 

A crise atual, analisa, tem que ver com o equilíbrio de prioridades: Quais valores são mais importantes em cada situação? Nos primeiros dias da pandemia a saúde era primordial e o resto ficou em segundo plano. Mas “depois de duas, três semanas, começa uma segunda onda”, o aspecto econômico pesou. “A médio prazo, a rentabilidade também é uma questão de vida ou morte. O fato de não ter nada para comer representa uma ameaça para a vida”, afirma. 

Otimista, ele destaca o crescimento de ações solidárias. “Graças a essa ameaça (corona-19) redescobrimos nossas virtudes e exercitamos a autodisciplina e a modéstia”, avalia. Mas ao mesmo tempo indaga se essa solidariedade está profundamente arraigada nas pessoas ou é apenas uma necessidade prática do momento. 

O líder da Globethics acredita que a pandemia vai modificar alguns velhos padrões: o individualismo exagerado das últimas décadas será questionado, assim como será reconhecido o valor da comunidade e do núcleo familiar. 

Ganhará destaque um simples princípio ético, a regra de ouro que está presente em todas as religiões do mundo: trata o outro como queres ser tratado. “Quem ajuda o outro também poderá contar com ajuda. Ajudar não é apenas um ato altruísta, mas ajudando todos nós ganhamos”, destaca.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pandemia incentiva ações solidárias, diz presidente da Globethics - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV