Honduras. Protestos por todo o país garantem vitória parcial contra as privatizações da saúde e educação

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Wagner Fernandes de Azevedo | 01 Junho 2019

A instabilidade política e econômica de Honduras não cessa. Nos últimos anos, a polêmica em torno da mudança constitucional para a reeleição, a contestação dos organismos internacionais sobre as eleições de 2017, o assassinato da ativista Berta Cáceres e os escândalos de corrupção envolvendo Juan Orlando Hernández são acúmulos dos quais a sociedade hondurenha se revolta.

Desde o mês de abril, os trabalhadores da saúde e da educação se insurgiram com um decreto presidencial que cria o Plano Nacional de Transformação aos setores da Saúde e Educação. As entidades sindicais apontam que os decretos abrem brechas para a demissão de funcionários e a privatização dos serviços. Nessa semana, na quinta-feira, 30-05, de acordo com dados da Radio Progreso, de Tegucigalpa, mais de 20 mil pessoas foram às ruas da capital e outras dezenas de milhares se espalharam pelo país. A convocação de uma greve geral pela Plataforma de Lucha para la defensa de la Salud y la Educación de Honduras no país bloqueou rodovias, paralisou o transporte coletivo e, inclusive, aeroportos foram fechados ao longo do dia. Na sexta-feira, 31-05, as manifestações seguiram, com trocas de pedras e bombas entre os grevistas e a polícia.

.

A mobilização dos trabalhadores da saúde e educação se iniciou no final de abril, depois da anuência do Congresso com os decretos presidenciais. O primeiro grande conflito nas ruas de Honduras ocorreu em 30-04, resultando em quatro edifícios incendiados, e dezenas de edificações depredadas, manifestantes feridos e presos. Mesmo com a violência, os decretos seguiram vigentes, sem recuo da presidência.

Hernández, ao contrário, insistia na contestação e repressão às manifestações. De acordo com o presidente, seu programa “corrige irregularidades e corrupção”, e é isso “que os protestos querem esconder”. No entanto, devido à convocação das manifestações dessa semana, o presidente emitiu um novo decreto, proibindo as demissões em massa e a privatização dos serviços de saúde e educação.

O recuo do governo não foi suficiente para segurar a greve. Os manifestantes realizaram marchas em todo o país, com destaque à capital Tegucigalpa, onde o aeroporto de Toncontin ficou fechado por algumas horas devido às manifestações nas redondezas, impedindo a realização de voos que já estavam na pista.


Mapa de Honduras. Fonte: America-Mapas

Diversas estradas do país foram bloqueadas, e o conflito entre manifestantes e policiais se deu entre pedras de um lado, e bombas de gás lacrimogêneo do outro.

De acordo com La Tribuna e Radio Progreso, na cidade de Villanueva, um caminhão foi incendiado para bloqueio da estrada, em Trujillo houve o relato de duas pessoas baleadas, em Siguatepeque um professor foi baleado pela polícia e perdeu um dos rins, e em Orica, médicos acusam que o ex-prefeito José Angel Hernandez e seu filho enfrentaram a marcha apontando armas. As manifestações de quinta ocorreram também nas cidades de San Pedro Sula, Santa Cruz, Santa Bárbara, El Progreso, Choluteca, Tocoa, La Ceiba, Danlí La Lima.

Na sexta-feira, 31-05, houve uma nova greve de professores e médicos. Em Tegucigalpa foi registrado outro enfrentamento com as forças policiais e estradas ao sul da capital foram bloqueadas. Ao final da tarde, manifestantes colocaram fogo na entrada principal da embaixada estadunidense.

Plataforma de Lucha para la defensa de la Salud y la Educación de Honduras exige que todo o Plano do governo seja revogado, e destacam que "essa luta é uma ponte para recuperar toda a institucionalidade do país".

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Honduras. Protestos por todo o país garantem vitória parcial contra as privatizações da saúde e educação - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV