Venezuela. Superior Geral dos jesuítas pede eleições e uma solução "pacífica"

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Celibato dos padres no centro do Sínodo. O caso dos abusos impulsiona as reformas

    LER MAIS
  • Marcial Maciel, o fantasma que vagueia pela Igreja. Agora é preciso ir além da condenação de dezesseis anos atrás. A ferida se reabre e sangra periodicamente

    LER MAIS
  • Ratzinger, além de Munique, há uma página negra em seu pontificado. Artigo de Marco Politi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Fevereiro 2019

A Conferência Episcopal deixou claro que é preciso outro governo. “O Papa conhece muito bem a situação", explica Arturo Sosa. A reportagem foi publicada em Periodista Digital, 16-02-19. A tradução é de Graziela Wolfart.

A Conferência Episcopal venezuelana, que está em sintonia com o Santo Padre, afirma repetidamente que está do lado do povo, que não toma posição entre um lado político e outro e que não quer a polarização política.

A situação na Venezuela "é muito crítica e a tensão é muito grande", declarou hoje o Superior Geral da Companhia de Jesus, o padre venezuelano Arturo Sosa, que acrescentou que "as pessoas passam por um sofrimento enorme porque a pobreza cresceu muito".

"A falta dos itens mais essenciais provocou uma grande quantidade de migrações", disse o Padre Sosa, que também destacou que "a crise política não envolve somente a sociedade venezuelana, mas também a comunidade internacional, dividida sobre qual caminho a seguir para chegar à solução".

Na Venezuela, deve ser tomado o caminho das eleições

"A esperança - disse o Superior Geral dos Jesuítas - é que a sociedade venezuelana possa encontrar uma solução pacífica que conduza a eleições parlamentares". A Igreja venezuelana, acrescentou, "tem estado muito próxima do sofrimento do povo não só nos últimos meses".

"Há alguns anos - recordou o Pe. Sosa - escolas, paróquias, centros sociais não só informaram sobre o que está ocorrendo no país, mas também trataram de fazer alguma coisa".

Igreja próxima do povo venezuelano

"A Conferência Episcopal venezuelana, que está em sintonia com o Santo Padre, disse repetidamente que está do lado do povo, que não toma posição entre um lado político e outro e que não quer a polarização política". "Quer fazer ouvir a voz das pessoas, a voz do sofrimento humano", disse o jesuíta.

A Conferência Episcopal, assinalou o Pe. Sosa, "deixou claro que é preciso outro governo e que também são necessárias eleições". O Papa Francisco, explicou finalmente o Prepósito Geral da Companhia de Jesus, "conhece muito bem a situação na Venezuela": a voz dos Bispos - concluiu - é sua voz.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Venezuela. Superior Geral dos jesuítas pede eleições e uma solução "pacífica" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV