Índice aponta trabalho escravo em empresas hi-tech

Mais Lidos

  • Porque o Cardeal Burke não é o Cardeal Ottaviani. O próprio Papa confirma e esclarece

    LER MAIS
  • “Tudo mudou no dia 7 de outubro, para o Papa governar sozinho a Igreja é um limite”. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • O coração ajuda a ver. Artigo de José Tolentino Mendonça

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

02 Junho 2016

Pode surpreender que, no Índice Global de Escravidão, a operosa Hong Kong, onde a sociedade civil está envolvida em um duro braço de ferro para garantir direitos e liberdades evitados em outros lugares da grande China, está colocada na mesma categoria de países como a Coreia do Norte, Irã e Eritreia pela resposta definida como "inadequada" a várias formas de escravidão.

A reportagem é de Stefano Vecchia, publicada no jornal Avvenire, 01-06-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

De fato, se no território, a casuística de abusos e inadimplências na consistente comunidade de imigrantes para satisfazer as necessidades da própria população produtiva é ampla, o relatório também aponta o dedo contra os abusos internos e externos ao seu território que dizem respeito às empresas, muitas vezes subcontratadas de multinacionais que, aquém ou – majoritariamente – além da fronteira com a mãe-pátria chinesa, têm lucrativas realidades produtivas. Começando pela eletrônica de consumo.

Como lembra o relatório, nas três maiores categorias que buscam delimitar as razões da escravidão global, o grande negócio está situado no mesmo nível do crime organizado e da exploração de seres humanos. A importância do problema, de fato, também é econômica (um valor global estimado em 150 bilhões de dólares por ano), com atores que, muitas vezes, fingem ignorar que a busca de mão de obra barata tem um preço elevado em dignidade, saúde e direitos negados.

Não por acaso, o próprio promotor do relatório, Andrew Forrest, pede que os governos das 10 economias mais desenvolvidas "elaborem e apliquem leis que sejam ao menos tão severas quanto aquela contra a escravidão moderna aprovada no Reino Unido em 2015, que assegura recursos e vontade de incidir nas empresas que apresentem, na sua cadeia de fornecedores, formas de escravidão, e que garante uma supervisão independente".

Como confirmação de uma tendência positiva de ação, em fevereiro passado, o presidente dos EUA, Barack Obama, assinou a atualização de uma lei comercial de 1930 para impedir que as mercadorias de importação tenham também trabalho escravo entre os seus "ingredientes".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Índice aponta trabalho escravo em empresas hi-tech - Instituto Humanitas Unisinos - IHU