Papa Francisco. O caso do jesuíta risonho

Mais Lidos

  • Especialização em Protagonismo Feminino na Igreja: experiência de sororidade e crescimento humano integral

    LER MAIS
  • As responsabilidades das Forças Armadas no golpe. Artigo de Jean Marc von der Weid

    LER MAIS
  • Terra Yanomami tem 363 mortes registradas no 1º ano do governo Lula

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: Jonas | 22 Julho 2013

“Nós o conhecíamos e não o conhecíamos, sabíamos de seu constante caminhar pelas ruas da cidade e de seu amor preferencial pelos que sofrem, mas não imaginávamos o extremo em que chegava a sua entrega”, escreve o jornalista José María Poirier sobre a atuação de Bergoglio na capital argentina, em artigo publicado na Revista Mensaje, 03-07-2013. A tradução é do Cepat.

Eis o artigo.

Quando foi anunciado um novo papa e Jorge Mario Bergoglio apareceu na sacada da Praça São Pedro para fazer a saudação como bispo de Roma, sua figura me trouxe à memória o título de um excelente romance policial do inglês Michael Burt, lido em minha adolescência e publicado, nos anos 1960, pela Coleção “El séptimo círculo”, que era dirigida por Jorge Luis Borges e Adolfo Bioy Casares: “O caso do jesuíta risonho”.

Raras vezes tinha visto o nosso austero pastor sorrir, e agora se apresenta diante do mundo como um papa sorridente; e essa imagem, como muitas vezes acontece com as primeiras impressões, é hoje ícone para milhões de pessoas.

Contudo, que doutrina filosófica ou escola literária há por trás deste homem que abraça crianças e doentes com tocante carinho? O que pensa ou a partir de onde pensa e sente Bergoglio, tão querido por alguns jesuítas e tão criticado por outros? Há um velho e malicioso ditado eclesiástico que afirma que nem Deus Pai sabe o que os jesuítas pensam. Isto soa como um exagero, mas por alguma razão a ironia popular o cunhou. Com efeito, não é fácil desentranhar as fontes do pensamento de Francisco. Por um lado, como pontífice, escolheu um nome tão ousadamente emblemático que pareceria ser uma tarefa titânica. No entanto, com extrema naturalidade, como o Poverello de Assis, Bergoglio vai ao encontro dos pobres e doentes, com ternura, e vive como um verdadeiro asceta.

A imagem do novo bispo de Roma faz com que surja a pergunta pela sua qualidade como intelectual. Em que sentido ele o é? Avancemos pouco a pouco, trata-se de alguém sui generis: de sua sólida formação jesuíta não há dúvidas, como tampouco do amplo leque de seus conhecimentos, que vão desde as ciências à literatura clássica, da teologia à psicologia, da política à música. Em Bergoglio, adverte-se melhor alguém que colocou sua qualidade de intelectual a par de outras qualidades muito diversas: espiritual, pastoral, social, política. Reúne tudo isto numa personalidade rica e complexa, que lhe permite meditar e atuar, escutar e guiar, orar e escrever, pensar e resolver.

“Portenho autêntico”, assim é definido por Mariano de Vedia, em sua recente biografia: “Francisco, o Papa do povo”. E, ao mesmo tempo, adverte uma dificuldade: se hoje o intelectual se comunica através dos meios de comunicação, para chegar até vastos setores sociais, Bergoglio nos apresenta um inconveniente, porque “o bispo jesuíta, desde o começo, evitou o protagonismo midiático e demonstrou que é inimigo da notoriedade pública”. Daí, em parte, a surpresa dos argentinos e dos próprios moradores da cidade de Buenos Aires quando foi nomeado Papa: nós o conhecíamos e não o conhecíamos, sabíamos de seu constante caminhar pelas ruas da cidade e de seu amor preferencial pelos que sofrem, mas não imaginávamos o extremo em que chegava a sua entrega.

Bergoglio recebeu, como todos os jesuítas de sua geração, uma esmerada formação clássica em letras e um marcado espírito escolástico a partir do filosófico. Contudo, claro, eram tempos em que muitos já se abriam aos pensadores contemporâneos. De tal maneira que Tomás de Aquino convivia com os existencialistas franceses, como Gabriel Marcel, ou com os teólogos, como Romano Guardini, e os místicos, como Teilhard de Chardin, outro jesuíta genial.

Por outro lado, muitos concordam em apontar que ele se destaca como homem de sentido prático, de grande intuição política, capaz de marcar objetivos e alcançá-los, e aberto à complexidade dos problemas a partir de uma perspectiva pastoral.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco. O caso do jesuíta risonho - Instituto Humanitas Unisinos - IHU