Estudantes da etnia caiuá foram proibidos de usar o idioma guarani

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Mudanças climáticas: uma oportunidade para a teologia se libertar do passado. Artigo de Bruno Latour

    LER MAIS
  • O extermínio na hora do almoço. Artigo de Corrado Augias

    LER MAIS
  • É proibido esquecer Auschwitz e o maior roubo da história

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Setembro 2011

Três estudantes da etnia caiuá foram proibidos de utilizar o idioma nativo, o guarani, nas dependências de uma escola da rede municipal em Campo Grande (MS). A exigência foi registrada em uma ata que os índios dizem ter sido obrigados a assinar.

A informação é do jornal Folha de S. Paulo, 04-09-2011.

"Disseram: "aqui na escola o seu idioma é proibido"", disse o índio Laucídio Nelson, 41, que há quase dois anos frequenta classe de alfabetização na Escola Nerone Maiolino.

Além dele, assinaram o documento os caiuás Orlando Turíbio, 41, e Maura Amaral, 35, que vivem em Água Bonita.

O fato, disse Laucídio, ocorreu em 24 de agosto. "Foram chamando um por um na diretoria. Quando chegou a minha vez, me mostraram um livro bem grande e disseram: "aqui tem lei contra isso". Eu não sabia de nada, então assinei".

O deputado estadual Pedro Kemp (PT) disse que a restrição contraria "a Constituição": "Os índios têm direito de falar a língua deles".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Estudantes da etnia caiuá foram proibidos de usar o idioma guarani - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV