Ministro da defesa libera visita de Erundina ao antigo Doi-Codi

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Impulso feminino no neofascismo cristão de Bolsonaro: quatro cenas recentes de início do ano eleitoral

    LER MAIS
  • Para ser ouvida, a Igreja precisa mudar de método. Entrevista com Jean-Claude Hollerich, relator do próximo Sínodo

    LER MAIS
  • A Europa e a guerra da Ucrânia. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Setembro 2013

Inicialmente marcada para esta sexta-feira, 20, a visita de uma comitiva de parlamentares e integrantes de comissões da verdade ao prédio do 1.º Batalhão da Polícia do Exército, na Tijuca, zona norte do Rio, foi remarcada para a próxima segunda-feira, 23. O reagendamento ocorreu durante reunião entre o ministro da Defesa, Celso Amorim, e os senadores João Capiberibe (PSB-AP), Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) e Ana Rita (PT-ES), nesta quarta-feira, 18, à tarde. No imóvel funcionou, durante a ditadura militar (1964-1985), o Destacamento de Operações e Informações (DOI-Codi) do 1º Exército.

A reportagem é de Fábio Grellet e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 19-09-2013.

A visita havia sido suspensa pelos senadores em razão do veto imposto pelo Exército ao nome da deputada federal Luiza Erundina (PSB-SP) como integrante da comitiva que iria ao prédio. Ela é presidente da Subcomissão da Verdade, Memória e Justiça da Câmara dos Deputados.

Nesta quarta ficou acertado que não haverá vetos aos nomes indicados para compor a comitiva. Serão convidados a participar da visita os três senadores que participaram da reunião com Amorim; Erundina; o deputado federal Chico Alencar (PSOL-RJ), integrante da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados; o procurador da República Antônio Cabral, os integrantes da Comissão Estadual da Verdade do Rio Wadih Damous e Álvaro Caldas e dois membros da Comissão Nacional da Verdade, ainda a serem definidos.

O DOI-Codi foi o principal centro de torturas no Rio durante a ditadura militar. A visita às suas dependências é o primeiro passo de uma campanha para transformar o local em um centro de memória.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ministro da defesa libera visita de Erundina ao antigo Doi-Codi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV