As grandes ausências do Sínodo, as famílias neocatecumenais

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Estamos em uma crise civilizatória que começou antes da pandemia”. Entrevista com Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • “Essa ideia do fim da história é uma invenção dos conservadores”. Entrevista com Thomas Piketty

    LER MAIS
  • O bispo de Tonga: “A Oceania está em risco. É hora de nos ouvirem”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 14 Novembro 2014

Nenhuma delas foi admitida para falar. E, no entanto, são as mais comprometidas em colocar em prática o modelo de matrimônio católico.

A reportagem é de Sandro Magister e publicada no sítio Chiesa, 13-11-2014. A tradução é de André Langer.

No intervalo entre os dois sínodos convocados pelo Papa Francisco sobre o tema da família todos se apressaram a tomar a palavra.

Portanto, também aqueles que no primeiro dos dois sínodos, o de outubro passado, não puderam falar na aula, porque não foram convidados.

Em especial, chamou a atenção a forçada ausência do sínodo do Pontifício Instituto que tinha mais pontos para participar dele.

Notou-se menos, ao contrário, a falta de convite a expoentes de outras realidades católicas, algumas delas fortemente comprometidas em traduzir para a vida concreta a visão cristão da família.

Uma destas realidades é o Caminho Neocatecumenal, fundado na Espanha na década de 1960 pelos leigos Francisco “Kiko” Argüello e Carmen Hernández e atualmente presente com suas comunidades em quase todos os países do mundo, com numerosos sacerdotes formados em cerca de cem seminários, com o apoio de centenas de bispos e composto sobretudo por famílias, a grande maioria das quais com um elevado número de filhos e muitas vezes dispostas a ir em missão às regiões mais perdidas, e às vezes mais hostis, do mundo.

O Caminho Neocatecumenal esteve muitas vezes nas crônicas pelas críticas e os conflitos intraeclesiais provocados por suas liturgias, muito particulares, dos batizados nas missas celebradas com um ritual “criativo”, que se separa em vários pontos do ordinário da Igreja latina.

Mas, na realidade, o que mais distingue o Caminho de outros movimentos eclesiais, e do
conjunto de fiéis, é a centralidade que nele tem a família, teorizada e vivida em perfeita obediência com o magistério da Igreja de sempre, mas em particular dos últimos Papas, inclusive dessa Encíclica Humanae Vitae, ignorada e desobedecida pela maioria dos católicos com a cumplicidade geral do clero, mas não pelos neocatecumenais, visto o grande número de filhos que costumam ter.

Não surpreende, portanto, que o Pontifício Instituto João Paulo II para Estudos sobre o Matrimônio e a Família tenha outorgado, em 2009, a Kiko, fundador do Caminho, o título de doutro honoris causa precisamente por seu compromisso em apoio do matrimônio cristão.

No entanto, pouco ou nada se sabe em público sobre como os líderes do Caminho “educam” as famílias que fazem parte de suas comunidades.

E nada se sabe até agora sobre o que eles pensam sobre as questões debatidas no Sínodo.

De fato, é uma práxis constante do Caminho proteger da observação externa o que se diz e se faz dentro de suas comunidades.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

As grandes ausências do Sínodo, as famílias neocatecumenais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV