Os mercados e o bolsonarismo profundo: canibalismo social como fundamento econômico

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Janeiro 2022

 

"A peste que nos aflige em profundidade é reconhecida pela discursividade triunfante e pela forma de superacumulação que viabiliza. Um regime de acumulação que tornou o canibalismo social e a devastação ambiental condição sine qua non para a elevação das taxas de rentabilidade, não se reverte apenas com eleições gerais", escreve Luis Fernando Novoa Garzon, sociólogo, doutor em Planejamento Urbano e Regional pelo IPPUR-UFRJ e professor da Universidade Federal de Rondônia.

 

Eis o artigo.

 

“Senhores das finanças, atacar, cumpri com o vosso dever!”
Ubu-Rei

 

O rei bufão, enquanto cumpre seu dever diversionista, lança a ordem de seguir em frente com o extermínio. O personagem do drama de Alfred Jarry se tornou adjetivo: ubuesco é aquele fornido com poder e estultice, em relação direta. No caso brasileiro, a bizarrice concentra as atenções enquanto o sorrateiro se espraia. É um poder derivado da capacidade de projeção de pânicos morais e de, em nome deles, anular regulamentações intersetoriais e acordos interclassistas. A grotesca corporificação de Bolsonaro confere habeas-corpus ao voraz metabolismo do capitalismo rentista-neoextrativista brasileiro.

Os diretores de criação (o mercado financeiro, o agronegócio e a grande mídia), ainda que tentem se mostrar incomodados com a criatura, devem muito a ela. Os pilhadores lhe serão eternamente gratos, depois de tantos serviços prestados em termos de destituições, fraudes e negociatas.

Uma dominação cruenta que se quer asséptica, o visível que agenda e predispõe o invisível. Nos gestos burlescos e chulos da criatura, há coreografia. A espetacularização da antipolítica tem como contraface o pseudo-antídoto da despolitização. O negacionismo é a cara explícita que coroa o mascaramento dos efeitos socialmente diferenciados da pandemia. Acordos liberal-keynesianos, quando admitidos, são válidos apenas como enxertos, por definição temporários. A conta será convertida em dívida pública futura, ou seja, em novas levas de sacrifícios sociais e de concessões setoriais e territoriais.

A intermitência entre dissoluções cada vez mais vastas e integrações cada vez mais residuais, é o que marca a ordem pós-social que fez escola no Brasil, especialmente após o golpe de 2016. Nestes termos, que futuro pode advir de instituições de tal modo corroídas? Com dispositivos de autoregulação do capital financeirizado fincados na Constituição, com contrarreformas privatistas em curso ou já engatilhadas, com marcos regulatórios e grandes projetos de infraestrutura que reiteram a centralidade político-decisória do agronegócio e da mineração, é preciso avaliar o que pode ainda significar governo e governabilidade no Brasil.

Depois das últimas avalanches privatistas, pode-se deduzir qual seria a “média” das expectativas dos mercados. O que pode ser racional e normal depois deste show de pilhérias e horrores? Vê-se ao longe a razoabilidade em recuo permanente. Digamos sem edulcorantes: é dos extremos da barbárie capitalista que se está medindo o “centro político” admissível ou o centro apto. Caiba nele quem puder.

O rei está nu, mas nenhuma nudez será castigada. O mesmo motivo que explica Esteves fora da prisão e ainda comandando negócios bilionários no interior do Estado, explica também por que Bolsonaro continua Presidente. Natural que o CEO do BTG diga não estar “preocupado com a consequência eleitoral”, considerando que 2022 já foi precificado como uma inapelável corrida ao centro. E se por acaso “os extremos ficarem nos extremos, o centro vai andar”, conclui o banqueiro. Uma inovação e tanto essa capacidade de “autocorreção” dos mercados que faz com a “terceira via” seja declarada de antemão a única via que pode vencer. Quem precisa de golpe, após tal entendimento?

Nenhuma “ideologia extremista” está em jogo aqui. O simulacro de polarização possibilita, sem maiores comoções, um acoplamento estrito entre regime político e estrutura socioeconômica. Consolida-se uma ordem assimétrica espontânea sem mais mediações. Em 2022, potentados das commodities e “Faria Limers” procurarão manter a tensão no mesmo lugar. Que outro motivo para que não tenha havido impeachment, por que até agora Bolsonaro não foi julgado e condenado pelos inúmeros crimes cometidos, acobertados e estimulados? A eclosão de motins e conflitos internos no bloco de poder, neste momento, seria exposição demasiada.

Os episódios em torno do movimento golpista no dia 07 de setembro de 2021 foram tratados com dosagem calculada. Esta pactuação financeira, jurídica e política coube num bilhete do jurisconsulto, beneficiário primeiro deste ciclo autoritário. Transcrita e assinada a carta, o autogolpe foi temerariamente assimilado. Fazendo as vezes dos partidos na cena política, agentes do Supremo, avançam ou recuam, cada um a seu modo e a seu tempo, para salvar as aparências do calendário eleitoral e consequentemente de um rito de transição.

Logicamente, entre os mercados e seus arautos, não há quem queira abrir mão de uma “maturidade institucional” marcada pela abolição de qualquer condicionalidade frente à população, à nação e à coletividade. Ponte para o futuro que virou Plano Mais Brasil (com menos direitos). Os três “ds” repetidos ad nauseam: desvincular, desobrigar, desindexar. “Ele [Bolsonaro] nos deu escudo para avançarmos”, é a deixa final de Guedes.

A consigna oficial, portanto, é “não recuar”. A recandidatura de Bolsonaro oferece um legado de máxima elasticidade da lucratividade para os grupos econômicos, um cenário de fusão entre interesses econômicos e regras institucionais que não se viu mais depois de 1930.

Aqui na Amazônia, logo se aprende que sobreviver à COVID e suas variantes não basta. A pandemia se soma à peste metabólica do capitalismo rentista-neoextrativista, diagnosticada por seu impulso acumulador irrefreável. O sentimento que o acompanha pode ser definido como uma sanha predadora, já tão naturalizada que parece espontânea.

O marco legal segue aberto para a normalização das sujeições e usurpações criminosas, premiadas portanto com o mérito do “interesse geral”. A depender dessa jurisprudência, sempre haverá tempo para normalizar e consolidar os próximos retrocessos. A indecorosa proposta do marco temporal das terras indígenas mostra que a ofensiva empresarial-latifundiária, depois de saturar e homogeneizar o espaço, se volta contra o tempo, para promover saques ainda mais derradeiros.

Esquecimento é escolher seguir em frente, sem olhar o que fica nos extensos rastros deste capitalismo de desastre, continente adentro. “Oh, Minas Gerais”, antes lugar de evocação de nossa origem indômita, se tornou um grito de desassossego, um soluço de dor, em função dos recorrentes “danos colaterais” das novas derramas requeridas pela cadeia global da mineração. A memória, ainda que tardia, requer desagravo, reparação e reinvenção.

A peste que nos aflige em profundidade é reconhecida pela discursividade triunfante e pela forma de superacumulação que viabiliza. Um regime de acumulação que tornou o canibalismo social e a devastação ambiental condição sine qua non para a elevação das taxas de rentabilidade, não se reverte apenas com eleições gerais.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os mercados e o bolsonarismo profundo: canibalismo social como fundamento econômico - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV