#AgoraNãoSãoElas? O ministério masculino de Michel Temer

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco recebe seis mulheres transgênero: “Nós nos sentimos acolhidas sem preconceitos”

    LER MAIS
  • Para os bispos brasileiros “urge não fechar os olhos diante da loucura da corrida armamentista no Brasil”

    LER MAIS
  • Ao falar que “A Amazônia é nossa”, Bolsonaro diz que “A Amazônia é do crime”, afirma jornalista britânica

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 13 Mai 2016

 

Ministros governo Temer Reação da ONG Think Olga ao ministério do presidente interino

Eram apenas seis ministras mulheres, agora não há mais nenhuma. Confirmados os nomes do gabinete ministerial do Governo Temer, o fato, inédito desde o mandato do ditador Ernesto Geisel (1974-1979), chamou atenção. Com seus 22 ministros, Temer quebrou uma tendência que vinha crescendo desde que o último militar a ocupar o Planalto, João Figueiredo (1979-1985), nomeou Esther de Figueiredo Ferraz para a pasta de Educação, tornando-a a primeira ministra da história do Brasil.

A reportagem é de André de Oliveira e publicada por El País, 12-05-2016.

Tímida nos mandatos de Fernando Henrique Cardoso, quando apenas quatro ministras foram nomeadas, presença feminina na Esplanada aumentou nos Governos petistas. Durante os anos Lula, foram 11 ministras, com Dilma, 15. A própria presidenta afastada, aliás, ganhou relevância no Executivo ao comandar as pastas de Minas e Energia e Casa Civil.

A ausência de mulheres na composição do Governo Temer chega também em um momento simbólico da luta feminista em todo o Brasil. No ano passado, na esteira da reação a um projeto no Congresso que complica o acesso aborto legal no país, a mobilização de mulheres nas ruas foi a maior em anos e as hashtags #MeuPrimeiroAssédio e #MeuAmigoSecreto, que denunciaram abusos escamoteados por medo, ganharam as redes. Outra campanha, a #AgoraÉQueSãoElas, cobrava especificamente maior participação de mulheres na sociedade.

As reações ao gabinete de Temer não demoraram nesta quinta-feira e explicitaram o descompasso entre o anúncio e uma agenda em ascensão. Em seu Facebook, a deputada estadual Manuela D’Ávila (PCdoB-RS), ironizou o fato de o novo ministério não ter presenças femininas: “Até agora nenhuma mulher ministra. Mulheres apenas quando belas, recatadas e do lar”, fazendo referência a uma reportagem em que Marcela Temer, mulher do presidente interino, era descrita como “bela, recatada e do lar”. Em um momento em que campanhas exigem maior participação e respeito à mulher na sociedade brasileira, a ausência de ministras anda em descompasso com a voz das ruas.

Uma das mais influentes ONGs pró-ativismo feminino, o Think Olga, também se manifestou. O grupo usou uma imagem do ministério de Dilma onde as mulheres são apagadas da foto para prometer uma resposta nas ruas. "Lamentamos, mas não seremos combatidas pelo retrocesso. As mulheres vão mostrar seu poder nas ruas/nas urnas/na luta".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

#AgoraNãoSãoElas? O ministério masculino de Michel Temer - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV