Vale o vazado? Temer imporia ‘muitos sacrifícios’ e calaria sobre corrupção

Mais Lidos

  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A campanha da Fraternidade 2024. Fraternidade e Amizade Social. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • A primeira pergunta de Deus ao homem foi “Onde você está?”. O Artigo é de Enzo Bianchi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

13 Abril 2016

No ensaio de discurso para a eventual iminência de se tornar presidente da República, Michel Temer pronunciou três vezes a palavra “sacrifícios''.

“Muitos sacrifícios'', enfatizou, na gravação distribuída por celular (aqui).

O comentário é de Mário Magalhães, jornalista, publicado por Portal UOL, 12-04-2016.

É o cenário que espera os brasileiros caso Dilma Rousseff venha a ser deposta por meio de impeachment.

Sabe quantas vezes apareceu a palavra “corrupção'' no áudio conhecido ontem?

Nenhuma.

Se vale o vazado, um possível governo Temer sacrificaria a vida dos cidadãos _como sempre, sofreriam mais os mais pobres.

E deixaria para trás o tema da corrupção. Mais propriamente, o combate a ela.

Num aspecto, o dos sacrifícios, inexistiria maior novidade em relação ao segundo mandato de Dilma (Dilma-Temer, a rigor).

A presidente impõe sacrifícios a quem, por 12 anos (2003-2014), conseguiu amenizar a miséria e a pobreza atávicas.

O que o vice aspirante a titular indica é que apertará ainda mais o arrocho impiedoso que atende pelo eufemismo de “ajustes''.

O silêncio sobre a corrupção representaria regressão se comparado a Dilma, que reiteradamente trata do assunto.

Temer não citou a Operação Lava Jato.

Seria falar em corda na casa de enforcado. Os líderes da conspiração pelo impedimento de Dilma são investigados, suspeitos, denunciados ou réus em processos de corrupção.

Eis a receita do “governo de união nacional'' almejado por Michel Temer: “muitos sacrifícios'' e o esquecimento da corrupção que maltrata o Brasil.

O discurso apressado do vice pode ser observado de várias maneiras.

É uma pena que seu conteúdo, tão revelador, venha sendo minimizado.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vale o vazado? Temer imporia ‘muitos sacrifícios’ e calaria sobre corrupção - Instituto Humanitas Unisinos - IHU