A Igreja mostra a sua "mais absoluta rejeição" ao acordo UE -Turquia para expulsar os refugiados

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Inaugurado o novo escritório do Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados na UNISINOS: um sonho de Pedro Arrupe

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

10 Março 2016

As entidades de ação social da Igreja que trabalham com refugiados e migrantes – Cáritas, CONFER, o Setor Social da Companhia de Jesus e Justiça e Paz – expressam a sua consternação e mais absoluta rejeição entre o acordo alcançado ontem em Bruxelas entre a União Europeia e a Turquia que permitirá devolver ao território turco a todos os refugiados que nos últimos meses têm chego à Europa pela costa do Mar Egeu.

A reportagem foi publicada por Religión Digital, 08-03-2016. A tradução é de Evlyn Louise Zilch.

Estas entidades querem denunciar um acordo inédito, que implica em uma mudança radical na política migratória e um sério retrocesso em matéria de direitos humanos. De fato, a União Europeia decidiu comprar, com o desembolso de uma quantidade extraordinária de 3 bilhões de euros adicionais ao Governo de Ancara e outras contrapartidas, a contenção dos refugiados fora das fronteiras comunitárias e permitir a devolução – inclusive coletiva – à Turquia de todos os refugiados que chegam à União.

Com isso, a imagem de uma Europa dos comerciantes volta a emergir como escandaloso final para a longa série de ações caóticas, confusas e repressivas que nos últimos meses vem adaptando-se contra os refugiados na fronteira oriental.

O acordo adotado com a Turquia viola os convênios internacionais e europeus ratificadas pelos estados-membros que proíbem expressamente a devolução das pessoas que são objeto de perseguição ou vítimas de guerra. É, portanto, inaplicável. Além disso, supõe um aumento ainda maior, se possível, do enorme saldo de sofrimento, dor e morte por parte daqueles que continuam a arriscar suas vidas enquanto buscam o bem-estar, a segurança e proteção às portas da Europa.

Pedimos aos estados-membros que defendam a Convenção de Genebra e se atentem a respeitar os valores proclamados em suas constituições. Incentivamos uma vez mais a UE a que ofereça canais legais e seguros para acesso ao nosso território, garantindo a proteção dos direitos humanos e a dignidade das pessoas que fogem do terror e do desespero.

Convidamos a comunidade cristã e à toda a sociedade para expressar sua rejeição inequívoca a este acordo, que condena todos esses seres humanos – mulheres e crianças em sua maioria – a verem dizimados seus anseios por liberdade.

Como o Papa Francisco disse em seu discurso ao Parlamento Europeu, “a Europa será capaz de fazer frente aos problemas associados à imigração (...) se for capaz de adotar as políticas corretas, corajosas e concretas que ajudam aos países de origem em seu desenvolvimento sócio-político e superação de seus conflitos internos – causa principal deste fenômeno – no lugar de políticas de interesse, que aumentam e alimentam esses conflitos. É necessário atuar sobre as causas e não somente sobre os efeitos”. 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A Igreja mostra a sua "mais absoluta rejeição" ao acordo UE -Turquia para expulsar os refugiados - Instituto Humanitas Unisinos - IHU