Nova pesquisa de agência americana reforça relação entre zika e microcefalia

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Estamos em guerra: nacionalismo, imperialismo, cosmopolítica. Artigo de Étienne Balibar

    LER MAIS
  • Em vitória histórica, STF reconhece proteção do clima como dever constitucional

    LER MAIS
  • Bioeconomia, a ‘evolução do agro’ que mira na sociobiodiversidade brasileira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Fevereiro 2016

Uma das maiores autoridades de saúde dos Estados Unidos afirmou ter sido encontrada a "evidência mais forte até agora" do efeito do zika vírus em bebês em gestação. Tom Frieden, chefe do CDC (singla em inglês para Centro de Controle de Doenças), falava a políticos em Washington.

A reportagem foi publicada por BBC Brasil, 10-02-2016.

Por sua vez, a OMS (Organização Mundial da Saúde) ainda não confirma a ligação do zika vírus com a microcefalia.

Frieden disse que dados de casos de duas crianças do Brasil, que morreram logo após o nascimento, indicaram que o vírus passou das mães para os filhos.

Porém, ele disse que a conexão suspeita ainda não foi definida.

Atualmente, o Ministério da Saúde investiga 3.670 casos suspeitos de microcefalia - quando a criança nasce com um cérebro de tamanho menor que o normal. Cerca de 400 foram confirmados e 700, descartados.

Frieden disse que pesquisas intensivas estão sendo realizadas para descobrir mais sobre o vírus e desenvolver uma vacina contra ele - embora ela possa virar realidade apenas daqui a muitos anos.

"Nós provavelmente veremos números significantes de casos de zika em Porto Rico e outros territórios americanos", afirmou Frieden.

Ele afirmou que o CDC garantirá recursos para os Estados americanos combaterem o mosquito transmissor.

Também nesta quarta-feira, a OMS, que classificou a epidemia de zika como uma "emergência global de saúde pública", elaborou orientações para que as mulheres se protejam contra o vírus.

Métodos contraceptivos

O organismo afirmou que até que se saiba melhor se o contato sexual pode transmitir o vírus "todos os homens e mulheres que vivem ou retornaram de uma área onde o zika está presente - especialmente mulheres grávidas e seus parceiros - devem receber orientação dos riscos potenciais de transmissão sexual e adotar práticas sexuais seguras".

"Isso inclui o uso correto e consistente de camisinhas, um dos mais efetivos métodos de proteção contra todas as infecções transmitidas sexualmente", afirmou a OMS.

O uso de métodos contraceptivos é uma assunto polêmico na América Latina devido ao posicionamento contrário da Igreja Católica.

Uma organização liberal católica - Católicos por Opção - pediu ao papa Francisco para deixar claro que as mulheres da América Latina devem ser capazes de seguir sua consciência sobre métodos contraceptivos e aborto. O pontífice deve visitar o México nesta semana.

A OMS disse que não recomendou restrições a viagens para as áreas afetadas, mas alertou que mulheres grávidas ou que pretendem engravidar procurem orientação médica antes de viajar para áreas onde o zika está presente.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Nova pesquisa de agência americana reforça relação entre zika e microcefalia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV