Sem misericórdia, com boa consciência

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Encantar a política: Uma proposta de cristãs e cristãos católicos para o povo brasileiro. Artigo de Toninho Kalunga

    LER MAIS
  • Ucrânia, Terceira Guerra Mundial e o guia do Papa Francisco para a Igreja. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS
  • Cristo e a paz. Artigo de Dietrich Bonhoeffer

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Janeiro 2016

“Nós não temos mais misericórdia porque não temos mais generosidade. Isto é evidente”, escreve José María Castillo, teólogo espanhol, em artigo publicado em seu blog Teología sin Censura, 12-01-2016. A tradução é de Evlyn Louise Zilch.

Eis o artigo.

É um fato que agora mesmo há no mundo milhares e milhões de cristãos, que não temos a misericórdia que nos pede o Evangelho e nos demanda o Papa Francisco, como é igualmente um fato que aqueles de nós que vivem sem a devida misericórdia – diante de tanta violência e tanto sofrimento (basta pensar no angustiante problema dos refugiados) – dormem cada noite tão tranquilos e com boa consciência.

Como e por que tranquilizamos (tanto e tão facilmente) nossa consciência? Claro, temos que nos recordar o que envolve a fragilidade e a inconsistência que, de uma forma ou de outra, todos trazemos. Mas parece-me que, neste assunto específico, não fica tudo explicado fazendo uso de nossa incoerência moral. Nós não temos mais misericórdia porque não temos mais generosidade. Isto é evidente.

Mas acontece que, além da nossa debilidade humana, temos uma debilidade teológica que (na minha maneira de ver) torna-se decisiva neste assunto. Em que consiste esta debilidade teológica? Digo em poucas palavras: o Deus dos evangelhos não coincide com o Deus do apóstolo Paulo. Trata-se, de fato, de duas “representações” de Deus, que são diferentes precisamente neste ponto concreto da misericórdia.

De fato, o Deus dos evangelhos é o Deus que “quer misericórdia e não sacrifício” (Mt 9, 13; 12, 7; cf. Os 6, 6). Porém, o Deus de qual fala Paulo é o Deus de Abraão (Gl 3, 16-21; Rm 4, 2-20). Contudo, isto significa que o Deus que nos apresenta Jesus quer acima de tudo misericórdia, não quer sacrifício e morte (nisto consistem os “sacrifícios” rituais). Pelo contrário, o Deus de Abraão é o Deus que primeiramente impôs ao patriarca bíblico o sacrifício de seu filho Isaque no altar (Gn 22, 1-2). Esta suposição, o drama contraditório, que vive e ensina a teologia cristã, consiste em que temos que crer no Deus de Jesus e no Deus de Paulo (que é o Deus de Abraão).

E que consequência discorre de tudo isto? Sem escolha, segue-se a ambiguidade em que vivemos a teologia e a espiritualidade que se nos ensina. Refiro-me à ambiguidade que consiste em que, para alguns, o que importa é praticar submissamente os sacrifícios e os rituais que a religião impõe. Enquanto que para outros, primeiro deve-se ter misericórdia, coragem e solidariedade com os que sofrem.

Simplesmente, o cristianismo de Paulo tranquiliza-nos a consciência, se cumprirmos com a religião. Enquanto que o cristianismo de Jesus somente tranquiliza-nos a consciência se nos levantarmos pelos refugiados, pelos famintos, pelos doentes, pelos que sofrem. Está claro por que somos tantos os cristãos que “sem misericórdia vivemos em boa consciência”?

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sem misericórdia, com boa consciência - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV