"Sim, é uma ação contra o Sínodo. Alguns não gostam do papa." Entrevista com Walter Kasper

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • “O populismo autoritário se apropria da linguagem da soberania popular”. Entrevista com Pierre Dardot

    LER MAIS
  • No feijão, retrato do libera-geral de venenos

    LER MAIS
  • Pastor pede escusas por ter discriminado homossexuais

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Outubro 2015

"Veja, uma coisa eu posso dizer com certeza: condicionar o Sínodo não é possível. Se alguém quer fazer esse jogo, não vai conseguir: é um jogo que nós não fazemos." O cardeal Walter Kasper, do qual tudo começou – foi ele a quem Francisco confiou em 2014 o discurso introdutório –, está junto à Porta Sant'Anna. Já estamos quase lá. Os 270 Padres sinodais subdivididos em 13 círculos aprovaram os seus relatórios, uma comissão está tentando fazer a síntese, no sábado se votará "e, depois, se entregará esse texto ao papa: será ele quem vai decidir e escrever, depois do Sínodo, um documentos seu".

A reportagem é de Gian Guido Vecchi, publicada no jornal Corriere della Sera, 22-10-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Eminência, o jornal L'Osservatore Romano escreve que o momento escolhido, nos dias mais delicados do Sínodo, "revela a intenção manipuladora da poeira levantada". Você teve essa impressão?

Eu não posso saber de nada, mas é provável que se queira ter feito uma ação de perturbação. Um pouco como a história daquele padre polonês no início do Sínodo, como ele se chama...

Charamsa? Aquele que disse ter um companheiro há anos?

Sim. Todos entenderam qual era a intenção, mas dissemos entre nós: não nos deixemos manipular. E isso não teve nenhum efeito sobre o Sínodo. Será assim também neste caso.

No Vaticano, disseram: querem confundir as ideias...

Mas todos vemos isso, o papa também, todos os dias, e eu lhe garanto que ele certamente não dá a impressão de estar doente: ele está sempre em movimento, cheio de energia. No máximo, ele trabalha demais!

Outras vezes já se tentou condicionar. Por quê?

Porque certas pessoas estão nervosas e agora olham com apreensão para o resultado do Sínodo, dentro e fora. Além disso, alguns não gostam desse papa, isso me parece evidente. Talvez tentaram nos influenciar: mas nós fazemos o nosso trabalho, o papa está em boa forma. É uma tentativa vã.

O relatório em alemão denuncia as "declarações públicas" e as "comparações ofensivas" de "alguns Padres sinodais". O cardeal Marx disse que ele se referia a uma entrevista em que o cardeal Pell contrapunha no Sínodo as teologias de Kasper e de Ratzinger.

Sou grato pela atenção ao meu círculo, mas quando falaram sobre isso eu estava ausente.

Ser considerado oposto a Ratzinger lhe entristeceu?

É desleal envolver o Papa Bento XVI nas questões do Sínodo. E, depois, com Ratzinger, nos conhecemos há mais de 50 anos! Sempre cooperamos, até mesmo durante o seu pontificado... Houve também posições diferentes, mas isso é normal na teologia: Tomás de Aquino e Boaventura defenderam coisas diferentes, e ambos são santos!

A busca da contraposição indica nervosismo?

Sim, mas sobretudo tende a dividir a Igreja. O Sínodo é caminhar juntos. Assim, ao contrário, se divide a Igreja entre dois polos. E eu não quero que isso: como cardeal, não se pode querer uma divisão.

O círculo alemão incluía, dentre outros, você e o cardeal Müller, prefeito do ex-Santo Ofício, e vocês sempre votaram com unanimidade...

Sim, e houve uma boa colaboração entre Müller e mim, nunca houve a ruptura que alguns pensavam. Espero que se possa ir na direção indicada pelo nosso círculo.

Para os casos "difíceis", como os divorciados e recasados, vocês propuseram uma solução inspirada em Tomás de Aquino: a aplicação dos princípios "com inteligência e sabedoria em relação às situações individuais muitas vezes complexas".

Certo: ninguém quer tocar a doutrina. É uma coisa pastoral, disciplinar. Para a admissão aos sacramentos, olha-se para a consciência da pessoa, para o "foro interno", indica-se a autoridade do bispo. É preciso distinguir as situações individuais, é claro, ninguém quer uma solução generalizada para todos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Sim, é uma ação contra o Sínodo. Alguns não gostam do papa." Entrevista com Walter Kasper - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV