COP 21.Uma peregrinação pela justiça climática

Mais Lidos

  • Uma tragédia anunciada. “A Igreja de Roraima ficou junto aos povos indígenas contra tudo e contra todos, e tem pago um preço muito caro”. Depoimento de Dom Roque Paloschi, presidente do CIMI

    LER MAIS
  • Memória escura no capitalismo crepuscular

    LER MAIS
  • Papa Francisco renuncia aos exercícios espirituais com a cúria: “Cada um se organize pessoalmente”. Perplexidade no Vaticano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

12 Junho 2015

Em vista da Conferência das partes (COP) 21 que em dezembro próximo levará a Paris os representantes dos governos do mundo para enfrentar as questões da mudança climática, a Conferência das igrejas europeias (KEK) lançou a ideia de uma “Peregrinação pela justiça climática”. Em vista disso entrevistamos Peter Pavlovic, secretário para os estudos da KEK, o qual apresentou o projeto durante a reunião europeia dos Conselhos nacionais de igrejas, realizada em Berlim de 26 a 29 de maio passado.

A entrevista é de Luca Baratto, publicada pela Agência Notizie Evangeliche – NEV, 10-06-2015. A tradução é de Benno Dischinger.

Eis a entrevista.

Como nasceu a ideia de uma peregrinação pela justiça climática?

A peregrinação pela justiça e pela paz é um programa do Conselho Ecumênico das Igrejas (CEC), através do qual as igrejas são convidadas a responderem “à vontade de Deus enfrentando os desafios do presente” num caminho de “transformação da realidade”. A questão climática é certamente um dos desafios mais relevantes do nosso presente. Além disso, dezembro próximo hospedará em Paris a cúpula da ONU sobre a mudança climática, a assim chamada COP21. Trata-se de um encontro que levará a decisões que definirão o nosso futuro. Por isso, a KEK lançou para 2015 uma “Peregrinação pela justiça climática”.

Por que a COP de Paris é tão importante? O que a torna diversa dos encontros passados?

A cúpula de Paris está suscitando muito mais esperanças e expectativas do que outros encontros passados. O tempo à disposição para mudar a situação – por exemplo, esconjurar um aumento da temperatura global superior aos 2° C – está atualmente terminando e se espera finalmente da COP21 a definição de um acordo vinculante e ambicioso, que possa definir o futuro da comunidade global segundo critérios de exatidão, verificabilidade e transparência.

De outra parte, devemos ser realistas e evitar falsas expectativas. Devemos ser cônscios que muitos dos participantes não compartilham dos nossos próprios objetivos. Paris será certamente uma pedra miliar, mas não constituirá o fim do processo. Devemos ser realistas e ter já o olhar um depois, qualquer que seja o resultado do encontro.

Qual é o empenho concreto da KEK e das igrejas europeias em vista da cúpula?

A chamada à peregrinação foi tomada seriamente por diversas igrejas europeias que estão organizando uma série de iniciativas em nível nacional e local. A KEK pretende acompanhar as iniciativas das igrejas, trabalhar junto a elas, apoiando os projetos e as contribuições, em particular aqueles provenientes das igrejas numericamente menores. Toda esta riqueza e variedade de iniciativas será compartilhada numa consulta que se realizará no próximo 12-14 de outubro em Schwerte (Alemanha), junto à Academia Evangélica de Villigst. Ao encontro são convidadas todas as igrejas da KEK, tanto para marcar o ponto sobre o caminho já percorrido, como para preparar-se ao encontro de Paris, no âmbito do qual, entre as tantas entidades e associações, também as igrejas estarão presentes e terão a sua visibilidade.

Que mensagem as igrejas da KEK levarão a Paris?

Certamente as igrejas oferecerão a sua contribuição específica. Tanto ao nível de compartilhamento de boas práticas – que são sempre mais numerosas, por exemplo, as comunidades que utilizam painéis solares – como ao nível de sensibilização da opinião pública e de pressões sobre os respectivos governos para investir mais intensamente em energias renováveis e para proteger as populações mais expostas às consequências da mudança climática. Acima de tudo, queremos sublinhar que a questão não diz respeito somente ao clima, mas também à justiça. Por isso falamos de justiça climática.

Pelo que se refere à visibilidade das igrejas na cúpula, ainda está em preparação um calendário de eventos. No momento sabemos que no dia 2 ou 3 de dezembro haverá um culto ecumênico junto à catedral de Notre-Dame com a presença, entre os outros, do patriarca ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu.

No dia 28 de novembro haverá a jornada inter-religiosa acompanhada de diversos eventos que terão lugar na cidade. É claro que a mudança climática é um grande desafio, tão grande que não pode ser enfrentado somente por políticos. Há um papel para o mundo dos negócios, a sociedade civil, as igrejas e as comunidades religiosas. Por isso me sinto impelida a lançar um apelo a todas as igrejas e a cada cristão para se unirem a esta peregrinação pela justiça climática como uma oportunidade para afirmar que o cuidado pelo ambiente faz parte da nossa fé cristã.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

COP 21.Uma peregrinação pela justiça climática - Instituto Humanitas Unisinos - IHU