Em protesto contra Belo Monte, índios invadem sede do Ibama no Pará

Mais Lidos

  • Uma tragédia anunciada. “A Igreja de Roraima ficou junto aos povos indígenas contra tudo e contra todos, e tem pago um preço muito caro”. Depoimento de Dom Roque Paloschi, presidente do CIMI

    LER MAIS
  • Memória escura no capitalismo crepuscular

    LER MAIS
  • Papa Francisco renuncia aos exercícios espirituais com a cúria: “Cada um se organize pessoalmente”. Perplexidade no Vaticano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

27 Abril 2015

Um grupo de índios invadiu na quinta-feira, 23, o escritório do Ibama em Altamira, no Pará. Eles protestam contra o processo de licenciamento da hidrelétrica de Belo Monte, em construção no Rio Xingu, a poucos quilômetros do município paraense.

A reportagem é de André Borges, publicada no jornal O Estado de S. Paulo, 23-04-2015.

Os índios ocupam o prédio da Ibama e já atearam fogo em um barco do órgão ambiental federal. O escritório central do Ibama, em Brasília, informou que está monitorando a situação.

Belo Monte aguarda a emissão da licença de operação pelo Ibama, documento que autoriza o consórcio Norte Energia, administrador da usina, a iniciar o enchimento do lago da hidrelétrica. A meta da companhia é iniciar o enchimento de sua represa no dia 15 de setembro, prazo que foi informado pelo consórcio em relatório encaminhado ao Ibama.

O Ministério Público Federal (MPF) no Pará e o Instituto Socioambiental (ISA) criticam o atraso no atendimento a diversas ações compensatórias aos povos indígenas atingidos por Belo Monte, descumprimentos que o consórcio nega.

Até fevereiro, a empresa Norte Energia ainda tinha que concluir a desapropriação de mais de 2 mil imóveis localizados na área impactada pela usina. O reassentamento total das mais de 20 mil pessoas atingidas pela hidrelétrica é uma das ações compensatórias mais atrasadas da usina. 

Se conseguir encher seu reservatório a partir de setembro, a Norte Energia pretende iniciar a geração de energia em novembro, com nove meses de atraso em relação ao cronograma oficial. Por contrato, a usina tinha que ter começado a gerar energia no dia 28 de fevereiro. A operação começaria por sua casa de força complementar, que prevê o acionamento gradual de seis turbinas de 38,85 megawatts (MW) cada.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Em protesto contra Belo Monte, índios invadem sede do Ibama no Pará - Instituto Humanitas Unisinos - IHU