''É preciso deixar clara a especificidade do matrimônio católico''

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Nacionalismos e patriotismos. Artigo de Flavio Lazzarin

    LER MAIS
  • “Fratelli Tutti” coisa nenhuma. “Memorando” exorta que antes do conclave os cardeais releiam “Dominus Iesus”

    LER MAIS
  • “Pontifexit”: o papado romano e o Ocidente. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Março 2015

Os bispos alemães escolheram: o cardeal Reinhard Marx (Munique e Freising), Franz-Josef Bode (Osnabrück) e Heiner Koch (Dresden-Meissen) irão, em outubro, para o Sínodo sobre a família em Roma. Nesta entrevista, Bode e Koch expressam as suas posições.

A reportagem é de Sarah Schortemeyer e Gottfried Bohl, publicada no sítio Domradio.de, 25-02-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Os bispos os escolheram como delegados para o Sínodo sobre a família. Quais são os temas que vocês mais trazem no coração?

Koch – Gostaria de esclarecer a especificidade do sacramento do matrimônio em relação ao casamento civil. Queremos fazer com que os jovens sejam mais conscientes ao assumir um compromisso no matrimônio religioso. Além disso, na Alemanha, temos muitos casais em que um dos parceiros não pertence a nenhuma Igreja, e às vezes se recusa uma educação religiosa para os filhos. Como pode ser transmitida a fé apesar disso? Em terceiro lugar, não podemos deixar sozinhas as pessoas cujo matrimônio fracassou apesar das melhores intenções. E, em quarto lugar, para mim é importante que o tema não se reduza aos casais jovens e às famílias, mas que também leve em conta o matrimônio e a família até a idade avançada e até o fim da vida.

Bode – Para mim, é importante também uma questão de fundo teológico: qual é a relação, hoje, da doutrina da Igreja com a vida cotidiana das pessoas? Inserimos suficientemente as experiências concretas das pessoas na doutrina? Não se pode deixar que a doutrina e a vida sejam separadas.

Que experiências vocês gostariam de levar concretamente ao Sínodo?

Bode – Na Alemanha, temos um grande número de divorciados em segunda união e um grande número de jovens que vivem juntos antes do casamento. Embora isso não corresponda à doutrina da Igreja, os valores de fundo, como a fidelidade e a responsabilidade, também são muito importantes. E, também como Igreja, devemos levá-los mais em consideração. Ao mesmo tempo, devemos explicar de modo mais convincente por que o nosso modo de entender matrimônio e família é positivo para as pessoas, e não uma limitação.

Koch – Eu desejo que haja debates teológicos que vão mais a fundo. E vejo o enorme desafio de apresentar a nossa mensagem de matrimônio como enriquecedora – mesmo para aqueles que têm uma atitude cética com relação à fé e à Igreja.

Vocês já abordaram a atitude para com os divorciados em segunda união. Como as coisas poderão prosseguir?

Koch – Acima de tudo, para nós, o sacramento do matrimônio é e permanece indissolúvel. Vejo, no entanto, mesmo entre os divorciados em segunda união, uma profunda devoção eucarística. E aqui buscamos vias para admiti-los aos sacramentos, sem pôr o princípio em discussão. Mas não devemos nos concentrar sempre apenas nesse tema.

Bode – A maioria dos bispos alemães são favoráveis, sob certas condições, a admitir a divorciados em segunda união aos sacramentos. Também já comunicamos isso a Roma como indicação. Mas ainda é preciso discutir de forma mais intensa quais caminhos a Bíblia e a tradição da Igreja abrem.

Vocês veem aqui a possibilidade de mudanças concretas?

Koch – Um Sínodo romano nunca pode resolver todos os problemas das Igrejas individuais nos vários países e nas várias culturas. Mas eu espero que recebamos um impulso e que haja uma determinada linha, uma perspectiva, e que as Conferências Episcopais, nos vários países, recebam o encargo de decidir o que podem fazer. Para isso, nós também estamos nos preparando.

Bode – No entanto, no último Sínodo, também para esses problemas polêmicos, mais da metade dos participantes se manifestaram a favor da busca de novos caminhos. Por isso, eu também tenho a esperança de que isso possa acontecer.

E se não acontecer? A decepção será grande, então.

Bode – Seguramente, se não dermos nenhum passo à frente. Mas acredito que já chegamos a um bom ponto. Portanto, essas reflexões também não terão sido inúteis.

Koch – Só podemos tentar ser compreendidos. Buscamos posições que possam ser fundamentadas biblicamente e segundo a tradição da Igreja. E, muitas vezes, não se pode simplesmente dizer: é certo, é errado. Espero que, durante as discussões e as conversas no Sínodo, consigamos nos compreender mutuamente. E que, depois, possamos explicar aos outros por que o Santo Padre e o Sínodo foram em uma direção ou em outra.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''É preciso deixar clara a especificidade do matrimônio católico'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV