EUA-Cuba, o cardeal Ortega: “O degelo contagia o mundo todo”

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Essa ideia do fim da história é uma invenção dos conservadores”. Entrevista com Thomas Piketty

    LER MAIS
  • Leitorado e acolitato para mulheres e leigos. A primeira vez no próximo domingo

    LER MAIS
  • “Estamos em uma crise civilizatória que começou antes da pandemia”. Entrevista com Raúl Zibechi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Fevereiro 2015

“Permitam-me neste dia de agradecer ao Senhor por tudo que aconteceu recentemente em Cuba”. Disse o cardeal Jaime Ortega, arcebispo de Havana durante a missa em São João de Latrão, celebrada no final da tarde de ontem, pelos 47 anos da Comunidade de Santo Egídio.

A informação é publicada por Vatican Insider, 09-02-2015. A tradução é de Ivan Pedro Lazzarotto.

“Como sabem, desde o mês de dezembro – afirmou Ortega – pela extraordinária iniciativa do Papa Francisco, aconteceu o milagre de um degelo, o fim de um tempo que parecia não ter mais fim. O muro da desconfiança que dividia Estados Unidos e Cuba parecia indestrutível. A história parecia estar parada. Nada porém é impossível a Deus se não renunciarmos”.

“Ao longo dos anos – prosseguiu o arcebispo cubano – não perdemos a esperança. A história é cheia de surpresas. Digo também para nos consolar, quando estamos presos pelo pessimismo. E ainda hoje o mundo vive verdadeiras crises internacionais. Que o sinal de descongelamento em Cuba possa contagiar o mundo todo, para que exista diálogo onde exista guerra. Rezemos hoje também para os países que sofrem a guerra, da Ucrânia à Síria e ao Iraque”.

“A paciência em dialogar e a perseverança na oração – disse ainda Ortega – levou o bendito fruto de um novo tempo para Cuba e para os Estados Unidos: um tempo de encontro e diálogo. O diálogo é o portador do bem comum. O meu coração está cheio de esperança pelo futuro do povo cubano e estou feliz em dividir esta alegria com vocês esta noite”.

Durante a cerimônia, o cardeal não esqueceu de recordar o monsenhor Romero: “Todos nós, por esperar, precisamos ver ícones de esperança. Um destes ícones, que a Igreja há pouco indicou, é o monsenhor Oscar Romero, arcebispo de São Salvador, amigo de Deus, dos pobres e do seu povo. Um bispo inesquecível pela sua fé e pela sua palavra, um mártir dos nossos tempos”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

EUA-Cuba, o cardeal Ortega: “O degelo contagia o mundo todo” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV