Miguel d’Escoto: “Minha condenação foi um abuso de autoridade”

Mais Lidos

  • As responsabilidades das Forças Armadas no golpe. Artigo de Jean Marc von der Weid

    LER MAIS
  • Terra Yanomami tem 363 mortes registradas no 1º ano do governo Lula

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores. Sobre o envio da Newsletter

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: Jonas | 06 Agosto 2014

O padre Miguel d’Escoto, a quem o papa Francisco reabilitou a administração dos sacramentos, suspensa em 1985, pelo já falecido papa João Paulo II, disse aos meios de comunicação que a pena aplicada por Wojtyla foi um abuso de autoridade.

 
Fonte: http://goo.gl/gPMqGA  

A reportagem é publicada por Religión Digital, 05-08-2014. A tradução é do Cepat.

D’Escoto, de 81 anos, recordou que quando o Vaticano lhe aplicou a “suspensão a divinis”, chorou e que, então, chegou a preferir que o executassem. “Eu chorei com essa notícia. Não por mim, mas, sim, pela pequenez que ia ver minha Igreja, a que eu tanto amo e dediquei minha vida”, afirmou o padre revolucionário.

Assegurou que Roma lhe advertiu que abandonasse o trabalho político, caso contrário suspenderia o seu sacerdócio, no entanto, D’Escoto esclareceu que não poderia trair seu povo, nem a Daniel Ortega, optando por seus princípios revolucionários.

“Além disso, eu não podia e sempre quis ser obediente à autoridade, mas nunca quis trair minha consciência e eu não pude, por mais que quisesse o que Roma me pedia: porque isso implicaria em trair meu povo, trair as suas legítimas aspirações e direitos, trair a revolução popular sandinista, a nossos heróis e mártires, a Daniel e a todos os companheiros que estávamos na luta. Então, não podia”, comentou o sacerdote.

O padre revolucionário disse que nunca teve rancor por causa da sanção que o Vaticano lhe aplicou, em 1985, durante o papado do hoje São João Paulo II.

“Na realidade, foi um abuso de autoridade (...) e Deus me deu a graça para suportar isto sem nenhum rancor, sem nenhum remorso e com muito amor a minha Igreja”, reiterou o sacerdote.

D’Escoto comparou-se com Jesus, ao afirmar que seguir os caminhos de Jesus “é se arriscar, porque Jesus foi o maior anti-imperialista da história, que foi crucificado por ser anti-imperialista”.

“Querido povo da Nicarágua, meu sacerdócio é de vocês e para vocês e me alegra voltar a celebrar a missa”, disse Miguel d’Escoto, que também lembrou que há meses pediu ao cardeal Miguel Obando y Bravo para celebrar missa em sua companhia, caso seus direitos sacerdotais fossem restituídos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Miguel d’Escoto: “Minha condenação foi um abuso de autoridade” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU