Se não fosse o vídeo, a morte de Claudia seria só mais uma, diz viúvo

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • A fantasia de Deus. Leonardo Boff e o Espírito Santo

    LER MAIS
  • A crise energética, a escolha europeia, e a “reviravolta russa”. Artigo de José Luís Fiori

    LER MAIS
  • As feridas cada vez mais abertas. As acusações da Unicef e da Oxfam

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Março 2014

Em reunião na manhã desta quarta-feira (19) com o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), familiares da servente Claudia Silva Ferreira, de 38 anos, que foi arrastada pelo asfalto ao ser transportada por uma viatura da PM depois de ter sido baleada, exigiram mudanças na forma como moradores de comunidades são tratados durante operações policiais nestes locais.

"Se não tivesse aquele cara que filmou, este seria só mais um caso de (morador inocente) que tomou tiro, entrou no hospital e morreu", afirmou o vigia Alexandre Fernandes da Silva, de 41 anos, viúvo de Claudia, referindo-se ao cinegrafista amador que filmou a mulher sendo arrastada pela viatura da PM depois de ter sido baleada numa operação policial no Morro da Congonha, em Madureira, zona norte do Rio, onde morava.

A reportagem é de Marcelo Gomes e publicada pelo portal do jornal O Estado de S. Paulo, 19-03-2014.
 
Conforme o Estado noticiou nesta quarta-feira, os três PMs que arrastaram Claudia na viatura constam como envolvidos em 62 autos de resistência (registros de ocorrência em que suspeitos morreram em supostos confrontos com a polícia) no sistema informatizado da Polícia Civil. Pelo menos 69 pessoas morreram nesses supostos tiroteios, desde 2000.

"Existe um conceito de que na favela todo mundo é bandido. Mas lá também tem muito trabalhador, como eu e a Claudia era. As pessoas de bem não podem pagar pelo mal. Está na hora disso acabar. Não pode a polícia chegar na comunidade, dar tiro, matar morador e depois botar (no registro de ocorrência) que foi troca (de tiros)", disse o viúvo.

De acordo com o vigia, o governador pediu desculpas à família pelo episódio e prometeu empenho e rigor nas investigações. O encontro ocorreu no Palácio Guanabara, sede do governo do Estado, na zona sul do Rio, e durou cerca de duas horas. Após a reunião, Cabral não falou com a imprensa. Ele foi representado pelo secretário de Assistência Social e Direitos Humanos, Pedro Fernandes.

"Entendemos que esse é um caso de extrema importância e a investigação têm que ser feita da forma mais rápida e eficaz possível. Oferecemos a inclusão de familiares e moradores da comunidade no Programa de Proteção a Testemunhas, apoio para acelerar processo de adoção dos quatro sobrinhos que Claudia criava, e a inclusão dos parentes nos benefícios sociais do governo. O governador também garantiu que a família será indenizada. Estamos limitados apenas às questões legais, já que cabe à Justiça estipular valores", declarou o secretário.

Após a reunião com Cabral, os parentes foram se encontrar na sede da Polícia Civil, no Centro, com o chefe da instituição, delegado Fernando Veloso, e o comandante-geral da PM, coronel Luís Castro.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Se não fosse o vídeo, a morte de Claudia seria só mais uma, diz viúvo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV