Para encontrar Jesus é preciso sair às ruas, sugere Francisco

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Inaugurado o novo escritório do Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados na UNISINOS: um sonho de Pedro Arrupe

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: André | 10 Março 2014

“O lugar em que Jesus estava mais vezes, onde era possível encontrá-lo com facilidade”, indicou, na quinta-feira passada, o Bispo de Roma aos “seus” padres da Urbe, “eram as ruas”; poderia ser confundido com um indigente, “porque sempre estava nas ruas”.

 
Fonte: http://bit.ly/1hU4KAu  

A reportagem é de Gianni Valente e publicada no sítio Vatican Insider, 07-03-2014. A tradução é de André Langer.

Para Bergoglio, a imagem de Jesus na rua não é apenas fonte de sugestivas reflexões. Seguindo e imitando a Jesus que sai “às ruas”, muitas paróquias (padres e leigos) de Buenos Aires basearam sua atividade normal nessa imagem quando Bergoglio era o arcebispo da capital argentina. Ali nasceram experiências pastorais que o atual sucessor de Pedro leva no coração, e que foram analisadas recentemente inclusive nas pesquisas sobre a missão no âmbito urbano realizado na Faculdade de Teologia da Universidade Católica Argentina e na universidade alemã de Osnabrück.

Uma destas iniciativas é a da “tenda missionária” da Praça Constituição: a “tenda missionária da Igreja católica” que armam uma vez a cada dois meses nas paróquias da região da Praça da Constituição de Buenos Aires. Bergoglio ia quando podia, saudava um a um os sacerdotes, os jovens “missionários”, e celebrava uma missa ao ar livre para grupos de jovens, idosos, indigentes, mães com suas crianças e transeuntes que passavam casualmente. “Peçamos a Jesus”, sugeria em suas homilias breves e luminosas, “tudo de que precisamos... Como os pobres que pediam tudo a Ele, quando passava pelas ruas e eles se aproximavam dele. Para Jesus é muito importante estar com os demais, com todos nós, com todos os que passam pela rua. É uma coisa que, acima de tudo, interessa a Ele”.

A Praça da estação Constituição e o bairro no qual se encontra são espaços urbanos dos mais difíceis e potencialmente conflitivos da metrópole argentina: venda de drogas, prostituição, pobreza, marginalidade, delinquência... tudo isso em meio ao torvelinho de um milhão de pessoas que diariamente transitam pela estação. Periodicamente, os párocos e paroquianos da zona, armam a tenda amarela ao lado do monumento ao inspirador da Constituição argentina, o maçom Juan Bautista Alberdi. Levam consigo uma estátua da Virgem de Luján, a Virgem venerada no santuário nacional. E, durante um dia e meio (inclusive à noite) mantêm vivo isso que descrevem como um “santuário provisório”, uma “paróquia móvel”, um lugar “flexível” que quase encontra harmonia com a itinerância fugaz da multidão.

Os padres e leigos não fazem sinais da cruz na Praça Constituição. Nada a ver com poses clericais de “reconquista” demonstrativa nos espaços públicos. Repetem gestos simples e concretos: distribuem santinhos e bênçãos, recolhem as intenções de oração, celebram missas, recitam o terço. Ao despertar a devoção aos santos mais populares, como São Caetano (o do “pão e do trabalho”), e Santo Expedito (o santo das “causas justas e urgentes”). Os sacerdotes dispensam na estação a graça eficaz dos sacramentos: confissões, eucaristia e inclusive o batismo para aqueles que o pedem ao se aproximarem da tenda. E depois ouvem. Tocam as chagas escondidas da humanidade ferida que, normalmente, tem pressa. Assim, para muitos, esse clássico “não-lugar” urbano (anônima conjuntura de barulho e circulação acelerada) converte-se no lugar em que se pode encontrar Cristo, quando menos se espera. Nas passagens casuais e distraídas pela estação florescem vínculos pessoais que duram no tempo. Multiplicam-se pequenos e escondidos milagres cotidianos.

Os missionários da Praça Constituição não fazem “propaganda” para a Igreja. Os dias ao redor da “tenda missionária” são apenas ocasiões para “facilitar” (e esta é a palavra chave, a que preferem) o encontro pessoal com Cristo. Abençoando, confessando, falando. E ouvindo. Sua proximidade compassiva com a multidão desencadeia inesperados agradecimentos.

“Eles – conta Esther, missionária da “tenda” – vêm e te agradecem: ‘Eu, que estava tão mal, te agradeço tudo o que fizeste por mim’. E, na verdade, não fizemos nada... os olhamos nos olhos e nada mais...”. Desta maneira, acontece que costumam sair felizes muitas pessoas que por diferentes razões não teriam posto novamente os pés na Igreja. Como testemunham as famílias de “Papeleiros”: “Graças a Deus”, dizem, “que vocês saíram às ruas. Porque a rua, a praça é o nosso lar, e vocês vieram para nos visitar... Porque nós, com nossos carros, não podemos entrar na Igreja, e tampouco do jeito que estamos vestidos, porque todas as pessoas... ou o sacerdote nos convida para nos retirarmos, porque não nos deixam entrar... As pessoas fazem voltas para não nos olhar”.

No tecido de vida que nasceu ao redor da tenda missionária nascem também obras de misericórdia para ajudar as vítimas dos criminosos da droga ou da prostituição, como as obras das irmãs do Santíssimo Redentor que libertam as prostitutas das suas condições de escravidão. As anedotas destes missionários, citados no ensaio de José Juan Cervantes e Virginia Zaquel Azcuy sobre “a tenda”, estão cheias de caminhos que recomeçam, de famílias salvas do naufrágio, de vidas descarriladas que retornam ao trilho. Para os próprios “missionários”, a precariedade da tenda no meio da praça ajuda a perceber a natureza própria da Igreja, sua dinâmica sacramental, fora das redes de proteção e da oficialidade burocrática de certos organismos paroquiais. Escreve o sacerdote Lorenzo de Vedia: “Como acontece nos acampamentos, em torno da tenda, descobrimos que podemos ser uma Igreja que se apóia no fundamental, e não em tantas coisas superficiais. A vida do acampamento nos ajuda a ser dependente do essencial para a vida. Na tenda missionária percebemos a sabedoria de muitas pessoas simples de nosso povo que coloca o seu olhar no essencial: a vida e a morte, a saúde e a doença, o teto e o abrigo, a comida e a fome, a solidão, a dor e a festa”.

Quando o Papa Francisco repete que Jesus se encontra “com mais facilidade” na rua, tem em mente as horas que ele mesmo passou na tenda missionária da Praça da Constituição. E isto vale também como leve sugestão para seus sacerdotes romanos e do resto do mundo. “No Evangelho”, repetia o já falecido cardeal brasileiro Aloísio Lorscheider, “os encontros mais bonitos de Deus com a humanidade acontecem na rua. Séculos de história de cristianismo vivo não dizem o contrário”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para encontrar Jesus é preciso sair às ruas, sugere Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU