''O problema são os párocos, não os divorciados''. Entrevista com Alberto Melloni

Mais Lidos

  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Para onde estamos indo? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • Os equilíbrios de Lula no Brasil pós-Bolsonaro. Artigo de Bernardo Gutiérrez

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

10 Março 2014

Há muitos aspectos extremamente interessantes na conferência ao consistório do cardeal Kasper, publicado pela jornal Il Foglio no último sábado, diz Alberto Melloni, historiador da Igreja e do Vaticano II. "A primeira diz respeito ao método e é, em muitos aspectos, uma novidade. Kasper não procede da comparação estática entre o 'o que acontece no mundo' e a resposta doutrinal que deve descender daí. Ao invés, ele parte das perguntas que a realidade faz à Igreja". Outra coisa notável da palestra de Kasper "é que o problema são os párocos, não os divorciados".

A reportagem é do jornal Il Foglio, 04-03-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Isso é paradoxal, professor. Em que sentido você diz isso?

No sentido de que o problema é corretamente colocado não como busca de solução a ser aplicada a pecadores, mas sim de dar uma legitimação canônica a uma prática de acolhida e perdão que qualquer pároco, removidos os casos de grave escândalo, aplica desde sempre. O problema do acesso à Eucaristia por parte dos divorciados é acima de tudo eclesial, não moral. Não é por acaso que um dos textos de referência para a conferência do teólogo Kasper – teólogo, especialista em eclesiologia e não em moral – foi escolhido pelo Papa Francisco, é um livro de Giovanni Cereti: Divorzio, nuove nozze e penitenza nella chiesa primitiva [Divórcio, novas núpcias e penitência na Igreja primitiva]. Cereti é um teólogo que fez um trabalho profundo redescobrindo e reavaliando aspectos fundamentais. Por exemplo, que a tradição antiga considerava o adultério como um dos pecados mais graves, mas também que era um pecado que a Igreja tinha a faculdade de perdoar.

Nesse sentido, você defende que se trata de uma questão eclesial?

Sim. O que está em jogo é a reivindicação de que a Igreja tem o poder de perdoar até mesmo esse pecado. Portanto, o primeiro ponto é o que a Igreja afirma sobre si mesma e oferece ao homem. Ou a Igreja é impotente diante do divórcio?

Sim, esse é justamente o tema do debate.

Que Kasper não resolve. E eu também acho isso muito bem feito: ele reitera que a Igreja não é obrigada para resolver um tema tão complexo em dez minutos. Ao contrário, é uma crítica implícita justamente àqueles que dizem, ou estão tentando dizer, que "não há nada para discutir".

Você concorda com aqueles que defendem que o documento de Kasper marca, já agora, uma mudança de paradigma, que até mesmo o Sínodo sobre a família pode se tornar um Vaticano III?

Eu diria que sim. Não esqueçamos que o parágrafo mais importante de todo o primeiro ano de Bergoglio é a passagem da Evangelii gaudium em que se diz que as Conferências Episcopais devem ter a própria capacidade e autonomia doutrinal. Isso significa que, dentro do debate sobre a família, pode-se colocar em marcha um mecanismo de sinodalidade. A mudança de paradigma, além disso, está também nos conteúdos. Significa não estar mais lá com os controladores, estáticos, medindo o quanto se difere da norma. No centro, está a compreensão que a Igreja tem de si mesma e da sua faculdade de perdoar.

Com relação à Familiaris consortio, é inegável alguma diferença, portanto.

Lá, a perspectiva era: "Infelizmente, não se pode fazer nada". Mas não é assim, e a sugestão oferecida por Kasper é que o problema não é o de se deslocar para a esquerda, porque sempre há alguém mais à esquerda do que você, mas sim ser realista na teologia. O realismo teológico: é preciso partir do fato de que essas pessoas divorciadas querem fazer parte da Igreja. Como você responde? Mesmo sobre o tema da ruptura do sacramento ("não se pode fazer nada"), não é verdade que as coisas são assim. Há uma tradição antiga e oriental que, no primeiro milênio, quando a Igreja não tinha assumido sobre si a hipoteca da proteção da Christianitas, elaborou uma compreensão diferente das coisas. Daí se pode partir.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''O problema são os párocos, não os divorciados''. Entrevista com Alberto Melloni - Instituto Humanitas Unisinos - IHU