Um sentimento de libertação se espalha pela Igreja alemã

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • A arte da leitura. Artigo de Enzo Bianchi

    LER MAIS
  • Maria Madalena era realmente de Magdala? Duas pesquisadoras investigam isso

    LER MAIS
  • Estudo mostra que SARS-CoV-2 pode ficar no organismo por tempo superior ao recomendado para quarentena

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Fevereiro 2014

Na Igreja Católica da Alemanha, espalha-se um sentimento de libertação. Bispos como Ackermann, de Trier, ou Overbeck, de Essen, se expressam sem medo sobre moral sexual ou celibato. E, apesar disso, até mesmo no Vaticano são vistos como possíveis candidatos para a sucessão do cardeal Meisner, de Colônia.

A reportagem é de Daniel Deckers, publicada no jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung, 07-02-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto

Muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos – mas por quem e para quê? No que diz respeito às nomeações episcopais da Igreja Católica na Alemanha, até pouco tempo atrás, foi relativamente fácil responder a essa pergunta. Nos anos 1990, quem tinha expressado argumentos contrários à opinião defendida pelo cardeal Joseph Ratzinger no debate a favor ou contra a presença da Igreja Católica nas clínicas de planejamento familiar certamente não podia contar com sua presença na terna de nomes proposta ao Vaticano, a partir da qual os capítulos da catedral, com base na concordata da Prússia e de Baden, tinham que escolher um candidato a bispo. E, mesmo nas nomeações "livres" dos bispos por parte de João Paulo II e Bento XVI, podia-se ter a certeza de que, para todos os candidatos, houvera um exame aprofundado sobre a sua chamada fidelidade ao papa.

Certamente, o critério da fidelidade ao papa era composta por mais de um elemento. A atitude com relação às clínicas de planejamento familiar devia ser posto no âmbito da política eclesiástica e da obediência pura. Em um nível mais importante da ortodoxia, eram levados em conta dois outros elementos: a posição dos candidatos em relação ao problema da ordenação de mulheres e ao da ética sexual, particularmente em relação à proibição da contracepção artificial definido pela encíclica Humanae vitae, de Paulo VI, em 1968.

Eclesiásticos sobre os quais se sabia ou se dizia, de uma forma ou de outra, algo negativo podiam ter a certeza de que não se tornariam uma coisa: bispos. Além disso, o mesmo valia para a concessão do "nada obsta", como pressuposto para a nomeação a uma cátedra em uma faculdade teológica católica, seja em instituições estatais, seja em eclesiásticas.

Eliminação de aspirantes a bispo não fiéis ao papa

Os efeitos desses tabus, que exortam ao silêncio, de discursos motivados acadêmica ou pastoralmente, entretanto, são muito perceptíveis. Razão pela qual jovens levas acadêmicas nas faculdades de teologia moral são escassas, assim como em qualquer outra faculdade: quem esperava uma carreira acadêmica era aconselhado a ficar longe de potenciais "zonas perigosas" no âmbito da moral sexual.

O resultado: nos debates dentro da sociedade sobre questões éticas como eutanásia, doação de órgãos ou diagnóstico de pré-implantação, a voz da teologia moral é cada vez menos ouvida. As exceções, como o teólogo moral Eberhard Schockenhoff, confirmam a regra.

Mesmo nas fileiras dos bispos, a desconfiança generalizada com relação à teologia acadêmica alemã e a eliminação sistemática de candidatos sobre os quais se dizia que não eram "fiéis ao papa" deixaram suas marcas há muito tempo.

Por isso, entre os bispos que foram escolhidos ou nomeados nos últimos 20 anos, muito poucos são aqueles que foram professores, como Karl Lehmann ou Walter Kasper antigamente. O cardeal de Munique, Reinhard Marx, antes da sua nomeação como bispo auxiliar de Paderborn, em 1996, lecionou sociologia cristã por alguns meses. O bispo de Limburg, Franz-Peter Tebartz-van Elst, tivera somente por dois anos uma cátedra de teologia pastoral e liturgia em Passau.

Sobre o bispo de Regensburg, Rudolf Voderholzer, apenas poucos "iniciados" sabiam, que ele era titular de uma cátedra em Trier. Só o antecessor de Voderholzer, Gerhard Ludwig Müller, podia ostentar uma reputação internacional. O aluno do professor Karl Lehmann e atual prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé ensinava há vários anos na Universidade de Munique antes da sua nomeação a Regensburg, em 2002.

O questionário sobre a família

Pensando nas palavras do Papa Francisco sobre as qualidades que os bispos deveriam ter, nos próximos anos também deve haver muito poucos estudiosos entre os bispos alemães. Aos embaixadores do papa (os núncios), aos quais é confiado um papel-chave na escolha dos candidatos em cada país, o Papa Francisco disse em junho passado que os grandes teólogos devem permanecer nas universidades e nelas fazer o bem. "É de pastores que precisamos!"

A partir de 13 de março de 2013, a fidelidade ao papa devia ser demonstrada de modos diferentes do silêncio ou da defesa da moral católica baseada em proibições. Na realidade, não sabemos se o questionário, que está a base de um julgamento sobre o caráter de um potencial candidato para bispo, foi elaborado depois do início do cargo do Papa Francisco ou se simplesmente foi apagada a referência à Humanae vitae. Mas os bispos alemães não renunciaram, em novembro passado, sob a liderança do seu presidente cessante, Robert Zollitsch, a tornar público o questionário vaticano para a preparação do próximo Sínodo dos Bispos sobre o tema da família e a pedir informações aos fiéis sobre a sua posição com relação à regulamentação dos nascimentos, aos divorciados em segunda união ou à homossexualidade.

Ainda mais: bispos como o cardeal de Mainz, Lehmann, e o próprio cardeal de Colônia, Meisner, pessoalmente tornaram públicos os resultados facetados que as perguntas, na sua maior parte, tiveram. Mas ainda mais: a Conferência dos Bispos da Alemanha foi (até agora) a única, ao lado da suíça, a tornar pública a "sua" resposta às perguntas vaticanas – uma síntese honesta e precisa das cerca de 10 mil (não inesperadas) respostas dos católicos alemães.

Essas respostas podem ser lidas, segundo muitos, como se, com a iniciativa do Vaticano, tivesse sido tirado um peso enorme dos ombros dos fiéis. E eles não são os únicos a ter esse sentimento de libertação. Dois dos bispos mais jovens, Stephan Ackermann, de Trier, de 51 anos, e Franz-Josef Overbeck, de apenas 49, bispo de Essen e, ao mesmo tempo, bispo militar católico, mas em parte também o cardeal Marx, de Munique, se expressam publicamente, de maneira decididamente intrépida e fundamentada sobre todas as questões espinhosas na Igreja, do A, de Angst (medo), passando pelo H, de Homosexualität (homossexualidade), ao Z de Zölibat (celibato), de uma forma que, até um ano atrás, era quase impensável.

Zukunft auf katholisch

Esse desenvolvimento não pode ser explicado apenas pelo efeito Francisco. Overbeck refere-se claramente a que muita coisa mudou nos seus cinco anos como bispo de Ruhr. Pouco depois da sua nomeação a bispo, ele tinha se deixado provocar em um programa de TV, chegando a declarar que os homossexuais eram pecadores. Nesse meio tempo, ele se tornou o bispo que, na Alemanha, se ocupa do modo mais aprofundado dos aspectos pastorais das muitas formas de vida as quais a hierarquia da Igreja cola o rótulo de "irregulares". Além do processo de diálogo da diocese de Essen intitulado Zukunft auf katholisch ("Futuro em língua católica", disponível em www.zukunft-auf-katholisch.de), nasceu nesse meio tempo uma imagem de futuro que quer levar em consideração as mudanças radicais da paisagem religiosa do século XXI.

Nos últimos anos, Ackermann também viveu muitos processos de aprendizagem. Desde 2010, como encarregado pela Conferência dos Bispos da Alemanha por todos os problemas ligados aos abusos sexuais, ele se encontra olhando para abismos humanos e institucionais infinitos. E foi o primeiro bispo diocesanos há décadas a convocar um sínodo chamado de "assembleia diocesana".

Não é de se admirar que ambos os nomes sempre voltem cada vez mais frequentemente quando se trata da cobertura de muitas sedes episcopais que estão atualmente vagas ou que o serão nos próximos anos – em primeiro lugar, a sucessão do cardeal Meisner, de Colônia. A esse respeito, há um ano, poderíamos estar certos de que os nomes de Overbeck e Ackermann seriam os primeiros a ser apagados das listas de candidatos em Roma.

Enquanto isso, parece que, em Roma, muitos esperam que os vários capítulos da catedral encontrem a coragem de propor personalidades fortes.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Um sentimento de libertação se espalha pela Igreja alemã - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV