Francisco inaugura novo método para a nomeação de cardeais

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Caroline | 14 Janeiro 2014

Francisco utilizou um “método especial” para anunciar os novos cardeais da Igreja católica, como revelou o novo cardeal nicaraguense, Leopoldo José Brenes (foto).

A reportagem é publicada por Religión Digital, 13-01-2014. A tradução é do Cepat.

Fonte: http://goo.gl/9s2mKL

“Ele está usando um novo método, muito especial. Normalmente o candidato era avisado alguns dias antes, através da nunciatura, para que não fosse pego de surpresa. Acredito que muitos de nós fomos pegos de surpresa, porque o anúncio foi feito do Vaticano, não tivemos nenhuma notícia prévia através da nunciatura”, disse Brenes aos jornalistas.

Ao invés do aviso prévio, Francisco anunciou sua decisão após a oração do Angelus, na Praça de São Pedro, em Roma. Segundo o novo cardeal, quem deu a notícia na Nicarágua foi um sacerdote que escutou a transmissão no rádio durante a madrugada.

Quando recebeu a notícia, Brenes acreditou que se tratava de uma brincadeira, mas logo constatou sua veracidade, pois recebeu várias ligações que confirmaram a nomeação, assim como telefonemas de felicitações.

O novo cardeal nicaraguense comentou que mesmo que a notícia o tenha surpreendido, por haver “outros arcebispos com mais prestígio” do que ele, possui “certa amizade” com Francisco, cultivada através do trabalho e da missão eclesiástica.

“Acredito que o Santo Padre conhece um pouco do meu trabalho na arquidiocese e na América Central”, disse.

Brenes já havia sido consultado, por outros cardeais, se seria o próximo a unir-se a eles, mas, segundo ele, não havia tomado as perguntas como um anúncio do que viria.

“É uma decisão do coração do Papa, aqui não há nenhuma lista, não há enquetes, ele conhece muitos bispos pelo mundo”, comentou.

Brenes é o segundo cardeal na história da Nicarágua, após a nomeação feita pelo papa João Paulo II ao agora arcebispo emérito Miguel Obando Bravo, em 1985.

Os 19 novos cardeais, dentre os quais três são eméritos, passam a fazer parte do “Senado” vaticano.  Alguns nomes, como Parolin, Müller ou Baldisseri, assim como Tempesta ou Poli, eram nomeações esperadas. Diferentemente da nomeação da maioria dos asiáticos, africanos e latino-americanos. Junto a Brenes, as nomeações mais significativas foram do arcebispo do Haiti, Chibly Langlois e Orlando B. Quevedo, arcebispo de Cotabato (Filipinas).

Chibly Langlois expressou, neste domingo, sua “surpresa” ao receber a notícia de sua nomeação pelo papa Francisco e acrescentou que se trata de uma benção para o seu país.

A notícia da nomeação do então arcebispo da cidade de Les Cayes e presidente da Conferência Episcopal Haitiana é feita no mesmo dia do terremoto que, há quatro anos, assolou o país e que totalizou cerca de 300 mil mortos e 1,5 milhão de feridos.

Em declarações feitas à agência italiana Alter Presse, Langlois, com 55 anos, declarou que a nomeação é uma “alegria” para a igreja haitiana e que poderá “trazer a atenção para o Haiti, especialmente sobre a nossa igreja cujos desafios, necessidades e realidades devem ser levados à frente”.

E indicou que não se trata apenas da nomeação da sua pessoa, “mas de toda a igreja haitiana”.

Além disso, reconheceu que seu novo cargo exigirá dele “deslocamentos frequentes”.

Além das homenagens para aqueles que atuam nas ruas – primando pelo trabalho nas paróquias ao invés do intelectual – o Papa demonstrou seu interesse prático ao protagonizar possíveis eleitores das chamadas “periferias do mundo”, que são os países esquecidos ou assolados pela pobreza. Atualmente, dos 122 cardeais com direitos de eleger o Papa, há 75 europeus (29 italianos) contra 25 americanos, 13 africanos e 12 asiáticos.

No novo consistório - que, como já anunciado, será no dia 22 de fevereiro, no Vaticano - Francisco irá entregar o capelo e o anel de cardeal aos 16 possíveis votantes: 5 latino-americanos (Argentina, Chile, Brasil, Haiti e Nicarágua); 6 europeus (quatro italianos, um alemão e um britânico); um norte-americano (Canadá); dois africanos (Costa do Marfim e Burkina Fasso) e dois asiáticos (Coréia do Sul e Filipinas).

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco inaugura novo método para a nomeação de cardeais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV