Os novos cardeais. Os promovidos e os excluídos

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • “O populismo autoritário se apropria da linguagem da soberania popular”. Entrevista com Pierre Dardot

    LER MAIS
  • Pastor pede escusas por ter discriminado homossexuais

    LER MAIS
  • No feijão, retrato do libera-geral de venenos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Janeiro 2014

Segundo Sandro Magister, vaticanista italiano, as dioceses italianas que por tradição têm "direito" à púrpura, com este papa podem 'tirar o cavalinho da chuva'. No seu primeiro consistório, Francisco não fez nenhum deles cardeal: nem Cesarei Nosiglia, arcebispo de Turim, nem Francesco Moraglia, patriarca de Veneza.

O comentário é publicada no seu blog Settimo Cielo, 12-01-2014.

No entanto receberá o chapéu cardinalício Gualtiero Bassetti,arcebispo de de uma diocese não cardinalícia como Perugia, que Francisco já premiou promovendo-o a membro da Congregação para os Bispos no lugar do cardeal Angelo Bagnasco, o qual também como presidente da Conferência Episcopal Italiana poderá substituído pelo msmo Bassetti, pupilo do Papa.

Na Cúria e na Itália as nomeações respeitaram as previsões, inclusive a não promoção do bibliotecário da Santa Romana Chiesa, o dominicano francês Jean-Louis Bruguès, 'culpado" de ter contrastado, quando era secretário da Congregação para a Educação Católica, o então cardeal Bergoglio quanto à nomeação do reitor da Universidade Católica de Buenos Aires, Victor Manuel Fernández, fidelíssimo do atual papa e seu ghostwriter.

Também o não nomeação de nenhum cardeal dos  EUA está na lógica das coisas já que contam com onze membros. Menos evidente é a não inclusão de nenhum nome do Oriente Médio, da Europa oriental e do Japão.

Mas a exclusão mais importante é a do arcebispo de Malines-Bruxelas, o conservador André-Joseph Léonard, e, nas Filipinas, da maior diocese do país, Cebu, e presidente da Conferência Episcopal, José S. Palma. No entanto, o Papa optou pelo oblato de Maria, bispo de uma diocese filipina de menos importância que nunca foi 'cardinalícia".

Também no Haiti, o neocardeal pertence à uma diocese pequena e pobre, e não às duas arquidioceses metropolitanas de Port-au-Prince e Cap-Haitien.

Veja também:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os novos cardeais. Os promovidos e os excluídos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV