Banco Mundial desenvolve projeto pioneiro de monitoramento da seca no Brasil

Mais Lidos

  • “Com Francisco cumpre-se a profecia de Arrupe”. Entrevista com Pedro Miguel Lamet

    LER MAIS
  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • Wim Wenders, Dias Perfeitos – 2023. Artigo de Faustino Teixeira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

19 Dezembro 2013

O Banco Mundial está promovendo uma iniciativa no Brasil para a instalação do primeiro sistema nacional de monitoramento constante da seca, que deverá funcionar no Ceará, um dos estados mais secos do país.

A reportagem foi publicada pelo portal EcoDebate, 18-12-2013.

O climatólogo norte-americano Donald Wilhite está à frente do projeto e afirma que os dados coletados vão ajudar na construção de políticas públicas para solucionar o problema. Por isso, as autoridades devem estar atentas às secas para promover mudanças no planejamento e na gestão de crises.

“Limitar-se a reagir a elas é muito custoso e tem outras consequências negativas, não só para as pessoas, mas para os vários setores econômicos”, enfatizou o climatólogo.

Mais de dois bilhões de pessoas sofreram com as secas no último século e 11 milhões morreram em função delas, segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), que alerta para o fato de que a seca causa tantas ou mais perdas de vida e bens materiais do que qualquer outro fenômeno natural, como furacões e terremotos.

Para prevenir qualquer tipo de desastre natural, Wilhite afirma que a comunicação é muito importante. “Os meios de comunicação não só devem informar sobre a seca, mas sobre o processo de planejamento contra esses desastres. Diferentemente dos cientistas, os jornalistas sabem transmitir as mensagens de forma que as pessoas as entendam”, declarou.

O especialista destaca ainda que a prevenção é um processo longo e que esboçar um plano concreto com as autoridades brasileiras deve levar em torno de seis meses.

Segundo ele, “é preciso tempo para integrar tanta gente e para que todo mundo entenda o problema. E ainda mais tempo para desenvolver as ferramentas para a ação”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Banco Mundial desenvolve projeto pioneiro de monitoramento da seca no Brasil - Instituto Humanitas Unisinos - IHU