IBGE: serviços detêm 43% dos trabalhadores sem carteira assinada

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • “Não é uma guerra entre a Rússia e a Ucrânia, é uma guerra pela reorganização da ordem mundial”. Entrevista com Maurizio Lazzarato

    LER MAIS
  • A implosão do catolicismo

    LER MAIS
  • Abusos sexuais de freiras, restrições ao jesuíta e artista Marko Rupnik

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Novembro 2013

O segmento com maior peso na atividade econômica brasileira também é o que detém o maior número de empregos precários no País, informou o IBGE na Síntese de Indicadores Sociais 2013 divulgada nesta sexta-feira, 29. O segmento de serviços emprega 43% das 13,9 milhões de pessoas que ainda trabalham sem carteira assinada. Entre as mulheres que estão na informalidade, a fatia que está empregada nos serviços é ainda maior: 66,4%.

A reportagem é de Daniela Amorim e publicada pela Agência Estado, 29-11-2013.

Outra classe marcada pela informalidade, a de trabalhadores por conta própria, também teve atuação predominante nos serviços. Em 2012, dos 19,5 milhões de indivíduos com 16 anos ou mais que trabalhavam por conta própria, 29,6% estavam nesse setor. O IBGE destacou no estudo as categorias de trabalhadores por conta própria e empregados sem carteira de trabalho por serem muitas vezes classificadas como formas de trabalho precário, em função da baixa taxa de formalização e do baixo rendimento.

O mercado de trabalho brasileiro ainda é formado por uma massa de trabalhadores informais, o equivalente a 43,1% de toda a força de trabalho em 2012, a maioria jovens e idosos. No entanto, houve avanço significativo ao longo de uma década.

O contingente de trabalhadores formais passou de 44,6% em 2002 para 56,9% em 2012, um crescimento de 12,3 pontos porcentuais. Segundo o IBGE, o avanço na formalização do emprego foi provocado pela retomada do crescimento econômico, aumento da renda real, redução do desemprego, política de valorização do salário mínimo e medidas de incentivo à formalização.

Mas as desigualdades regionais ainda persistem. Enquanto o Sudeste tem 66,9% do porcentual de seus ocupados com 16 anos ou mais já em atividades formais, a fatia dos empregados formais na força de trabalho do Nordeste foi de apenas 38,6%. No Norte, os trabalhadores em situação regular eram apenas 38,7%.

O Estado do Maranhão foi o que obteve pior resultado, com a informalidade atingindo 74,5% dos ocupados. No Pará, 67,5% dos trabalhadores estavam na informalidade.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

IBGE: serviços detêm 43% dos trabalhadores sem carteira assinada - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV