“Uma Igreja fechada trai a própria identidade”, diz Francisco

Mais Lidos

  • Noiz por noiz: Quem são os sujeitos periféricos?

    LER MAIS
  • As últimas aulas públicas de Adriana Dias

    LER MAIS
  • Em boa fé – A religião no século XXI. Artigo de Faustino Teixeira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: André | 17 Outubro 2013

“O primeiro trabalho de um apóstolo é rezar. O segundo, anunciar o Evangelho”. Foi o que disse o Papa Francisco, durante a catequese da Audiência Geral da manhã desta quarta-feira na Praça São Pedro, para cerca de 70.000 pessoas. Depois se perguntou: “O Papa e os bispos rezam e anunciam o Evangelho?”. E também disse: “Todos nós, se quisermos ser apóstolos, devemos nos perguntar: ‘Eu rezo pela salvação do mundo e pelo anúncio do Evangelho?’”.

 
Fonte: http://bit.ly/169YTUD  

A reportagem é de Domenico Agasso Jr. e publicada no sítio Vatican Insider, 16-10-2013. A tradução é de André Langer.

O tema do dia foi o caráter apostólico da Igreja: “Professar no Credo que a Igreja é apostólica – explicou – significa sublinhar o vínculo profundo, constitutivo, que ela tem com os Apóstolos, com esse pequeno grupo de 12 homens que Jesus um dia chamou para si; chamou-os por seu nome, para que permanecessem com ele e para enviá-los a pregar. Apóstolo, de fato, é uma palavra grega que quer dizer ‘mandado’, ‘enviado’; e os Apóstolos foram escolhidos, chamados e enviados por Jesus para continuar sua obra”.

Portanto, os Papas, os bispos e os fiéis têm a tarefa de serem apóstolos da Igreja, que “guarda e transmite, com a ajuda do Espírito Santo que habita nela, o ensinamento, o bom depósito, as sãs palavras dos Apóstolos”. Francisco se perguntou: “Acaso pensamos quão importante é este dom que Cristo nos deu, o dom da Igreja, onde O podemos encontrar? Acaso pensamos em como justamente a Igreja, em seu longo caminho ao longo destes séculos, apesar das dificuldades, dos problemas, das dificuldades, nos transmite a autêntica mensagem de Cristo e nos dá a segurança de que aquilo em que cremos é realmente o que Cristo nos comunicou?”

A Igreja deve ser missionária, porque “uma Igreja fechada trai a própria identidade”, disse o Papa, e os crentes devem estar dispostos à missão. “Somos cristãos de sacristia?”, perguntou-se, deixando de lado o texto preparado para a Audiência. E Francisco respondeu insistindo novamente nos danos que provocam os mexericos, as fofocas, “os cristãos apenas de palavra, que vivem como pagãos”. “Digo isso em primeiro lugar a mim mesmo, não estou repreendendo. Hoje descobrimos o que significa ser apóstolo, isto é, rezar e anunciar o Evangelho com a nossa vida, e também com as palavras”.

No 35º aniversário da eleição ao pontificado (16 de outubro de 1978) e a poucos meses da sua canonização, o Papa recordou o seu predecessor João Paulo II e pediu sua “celeste intercessão”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Uma Igreja fechada trai a própria identidade”, diz Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU