O Papa Francisco contempla entre suas reformas a nomeação de uma mulher para cardeal

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • A fantasia de Deus. Leonardo Boff e o Espírito Santo

    LER MAIS
  • As feridas cada vez mais abertas. As acusações da Unicef e da Oxfam

    LER MAIS
  • A crise energética, a escolha europeia, e a “reviravolta russa”. Artigo de José Luís Fiori

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 24 Setembro 2013

Não se trata de uma brincadeira. É algo que está passando pela cabeça do Papa Francisco: nomear uma mulher para cardeal. Quem o conhece, dentro e fora da Companhia, desde antes de chegar à cátedra de Pedro, garante que o primeiro papa jesuíta da Igreja está chamado a surpreender cada dia não apenas com suas palavras, mas também, e sobretudo, com seus gestos. Está fazendo isso nos primeiros seis meses de pontificado.

A reportagem é de Juan Arias e publicada no jornal espanhol El País, 22-09-2013. A tradução é de André Langer.

Quem pensa que Francisco, com sua simplicidade de pároco de província, sua linguagem coloquial e seu sorriso sempre nos lábios é um simples ou um ingênuo, engana-se. Este Papa, que não parece Papa, chegou a Roma da periferia da Igreja com um programa bem concreto: mudar não apenas o aparelho enferrujado da maquinaria eclesial, mas também ressuscitar o cristianismo das origens.

O simbolismo de seus gestos começou desde que apareceu na sacada da Basílica de São Pedro, vestido de branco, dizendo-se “bispo” e pedindo às pessoas que estavam na Praça para que o abençoassem. Não perdeu, desde então, um minuto para semear gestos inesperados em seus primeiros meses de pontificado, para espanto de muitos, dentro e fora da Igreja.

E vai continuar nesta trilha. Por exemplo, com esse plano de nomear uma mulher para cardeal. Ele sabe que a questão feminina dentro da Igreja está sem ser resolvida e que não pode esperar. Deixou isso claro com duas frases lapidares em sua última entrevista à revista La Civiltà Cattolica: “A Igreja não pode ser ela mesma sem a mulher”. Não é apenas uma afirmação. É uma acusação. A frase pode ser lida também da seguinte maneira: “A Igreja ainda não está completa porque nela falta a mulher”.

Francisco considera que resolver a questão da mulher dentro da Igreja já é algo impostergável.

Como introduzir na Igreja essa peça essencial, sem a qual a Igreja “não pode ser ela mesma”? Disse-o na mesma entrevista: “Necessitamos de uma teologia profunda da mulher”.

E essa teologia, dá a entender o papa, não pode ser construída no laboratório do Vaticano, apadrinhada pelo poder. Ela está sendo construída pelas mulheres dentro da Igreja: “A mulher está formulando construções profundas que devemos enfrentar”, disse.

Francisco quer resolver esse problema durante o seu pontificado porque está convencido de que a Igreja de hoje está manca e coxa sem a mulher no lugar que lhe corresponderia, que seria nada mais nada menos que aquele que já teve nos inícios do cristianismo, onde exerceu um enorme protagonismo. Pelo menos até que Paulo cunhou sua teologia da cruz e hierarquizou e masculinizou a Igreja.

O papa sabe que para fazer a revolução que tem em mente necessita “ouvir” a Igreja, não apenas a de cima, mas também a de baixo, onde estão sendo realizadas, por parte da mulher, as “construções profundas”.

Pode haver cardeais que não sejam sacerdotes, basta que sejam diáconos

Ele mesmo poderia, no entanto, abrir caminho com alguns gestos que obrigariam a colocar com urgência o tema da mulher sobre o tapete ou, se preferir, sobre “o altar”. E um destes gestos seria nomear uma mulher cardeal. Impossível? Não. Hoje, segundo o direito canônico, pode haver cardeais que não sejam sacerdotes, basta que sejam diáconos.

Mas o fato é que a mulher, alguém poderia objetar, atualmente, ainda não pode ser diaconisa, como foi há 800 anos e, sobretudo, nas primeiras comunidades cristãs. Pois essa é também uma das reformas que Francisco tem em mente. Não se trata de nenhum dogma. A mulher poderia ser admitida ao diaconato amanhã mesmo.

Como escreveu Phyllis Zagano, da Universidade de Loyola de Chicago, a maior especialista da Igreja neste tema, “o diaconato feminino não é uma ideia para o futuro. É um tema do presente, para hoje”. E conta que havia abordado o tema com o cardeal Ratzinger, antes de ser papa, e que lhe respondeu: “É algo em estudo”. No pontificado de Bento XVI não se realizou, mas o Papa Francisco poderia acelerar o processo. Atualmente, a Igreja Apostólica Armênia e a Ortodoxa Grega, ambas unidas a Roma, contam com diaconisas.

Chegada a mulher ao diaconato, já é possível, sem mudar o atual Direito Canônico, fazer uma mulher cardeal com o título de diaconisa. Mais ainda, bastaria mudar a atual lei para permitir que um leigo, e, portanto, uma mulher, possa ser eleita cardeal, já que houve pelo menos dois casos na Igreja em que leigos foram nomeados cardeais: o Duque de Lerma, em 1618, e Teodolfo Mertel, em 1858.

O cardenalato não implica consagração presbiteral nem episcopal; é um cargo de conselheiro do Papa

O cardenalato não supõe a consagração presbiteral nem episcopal. Os cardeais são conselheiros do Papa e sua função principal é escolher o novo sucessor de Pedro. Há algum inconveniente em que uma mulher possa dar seu voto no silêncio do conclave? Seu voto valeria menos que o de um varão?

Um jesuíta me dizia: “Conhecendo este papa, não teria medo para fazer uma mulher cardeal e até lhe encantaria ser ele o primeiro papa a permitir que a mulher pudesse participar da eleição de um novo papa”.

Quando Francisco, em sua longa entrevista, insiste em que não quer fazer as mudanças precipitadamente e que prefere antes “ouvir” a Igreja, é porque tem essas mudanças, algumas surpreendentes, em mente, talvez bem enumeradas. Quer apresentá-las com o aval não apenas da hierarquia, mas do povo de Deus.

Com este Papa, como diria Federico Fellini, “La nave va”. Com Francisco, os pilares da Igreja começam a se mover. E muitos começam a tremer. De medo. Dentro, não fora da Igreja. Fora começam a ressoar antes as notas de estupor e até de incredulidade. “Com este papa quase me dá vontade de me tornar católica”, escreveu no sábado uma leitora neste jornal.

Algo se move, e talvez irreversivelmente na Igreja, exatamente no momento em que no mundo laico e político, no campo da modernidade, os relógios parecem ter parado todos ao mesmo tempo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa Francisco contempla entre suas reformas a nomeação de uma mulher para cardeal - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV