Papa visita, hoje, centro de refugiados, em Roma

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Holodomor não está distante no tempo nem no espaço

    LER MAIS
  • “Estamos em um mundo sem direção política”. Entrevista com José Mujica

    LER MAIS
  • “A era do progresso acabou e a da resiliência já está aí”. Entrevista com Jeremy Rifkin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Setembro 2013

Para mais de 10 mil refugiados que vivem em Roma, a 'casa' deles é via degli Astalli 14/A. Lá estão aí os voluntários do Centro Astalli (aproximadamente 400) entre os que servem a comida, que cozinham, médicos e advogados. E, precisamente, na mesa do Centro dos jesuítas para os refugiados que é esperado, hoje, dia 10 de setembro, o Papa, convidado pelo diretor do Centro, padre Giovanni La Manna, jesuíta, por meio de uma carta, em abril.

A reportagem é de G. Galeazzi, jornalista italiano, e publicada no seu blog Oltretevere, 09-09-2013. A tradução é da IHU On-Line.

Depois de Lampedusa, para Francisco será uma outra visita privada aos 'últimos'. Desta vez são homens e mulheres que escaparam de perseguições e guerras em busca de proteção no palácio que se estende entre as ruas de Botteghe Oscure e Palazzo Grazioli. Um lugar essencial e dignitoso que existe desde 1981, sobrevivendo a turistas e políticos que o circundam. Num ano, 21 mil pediram e obtiveram asilo enquanto cada dia 450 pratos de comida são servidos.

Os refugiados vêm, sobretudo, do norte da África, Afganistão, Guiné, Senegal, Líbia, Tunísia. No último mês é boom é de sirianos. Para além do portão verde eles encontram um prato de comida, uma ducha, remédios, assistência psicológica já que em cada três refugiados, um foi vítima de tortura.

Todos têm necessidade de um endereço, pois sem o qual não podem requerer o asilo. Assim, via degli Astalli 14/A torna-se a sua casa, uma gigantesca caixa de correio onde chegam por anos cartas e documentos (em 2011 foram 19.500). Muitos custam até poderem sair. Outros permanecem como voluntários. É o caso de um refugiado da Algéria ou de um curdo-iraqueno. Todos repetem que ninguém mais do que um refugiado sabe como se sente um fantasma estranho da imigração. "A primeira coisa que um refugiado pede é ser reconhecido como pessoa, depois é preciso compreender porque ele fugiu", explica padre Giovanni La Manna, que é o diretor do Centro, nestes últimos dez anos. Foi ele que escreveu para Bergoglio convidando-o para uma visita ao Centro Astalli. O papa lhe telefonou aceitando o convite. Ele está contente mas não considera a visita como algo anômola: "No fundo é mais um pedacinho do caminho iniciado em Lampedusa".

Na mesa do Centro Astalli não se recorda de nenhum pontífice, com exceção de João Paulo II, que encontrou alguns refugiados na Igreja del Gesù. Francisco atravessará o portão verde.

Nota da IHU On-Line: Hoje, 10-09-2013, Giovanni La Manna, diretor do Centro Astalli, escreve no seu twitter:

Condivido com vocês a grande alegria que vivo ao saber que hoje Papa Francisco estará no Centro Astalli para encontrar os refugidos/as"

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa visita, hoje, centro de refugiados, em Roma - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV