"Desgraças previstas com as hidrelétricas no Tapajós começaram a dar sinais"

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: Cesar Sanson | 19 Agosto 2013

“As desgraças previstas com as hidroelétricas no Tapajós já começaram a dar sinais. A segurança e a paz das populações do Tapajós já não existem. E mais desgraças virão!”, escreve Edilberto Sena, padre, coordenador geral da Rádio Rural de Santarém, presidente da Rede Notícias da Amazônia – RNA e membro da Frente em Defesa da Amazônia.

Eis o artigo.

O filho do vice-prefeito de Jacareacanga foi encontrado morto com sinais de ter sido assassinado. O vice-prefeito lá é um Munduruku. Pode não ter relação com a tensa situação que vive a população da região, mas que tem algo a ver, não há dúvida.

O governo federal invadiu o município de Jacareacanga com 150 pesquisadores e um batalhão de soldados armados de fuzis e metralhadoras para impor hidrelétricas contra os direitos dos Munduruku e ribeirinhos do Tapajós. Há poucos dias o prefeito Raulian Queiroz usou e abusou do seu cargo para controlar e manipular uma assembleia de caciques Munduruku.

Conseguiu dividir aos caciques, iludindo que as barragens serão positivas para todos os moradores do Tapajós, inclusive os indígenas. O vice-prefeito Munduruku, estava ao lado do prefeito. Se uma parte dos caciques aceitou a ilusão do prefeito, outra parte deles, conscientes da desgraça prevista, não aceita a presença de soldados armados e helicópteros sobrevoando as aldeias ameaçadoramente. E não aceitam em hipótese alguma a destruição da floresta e rios com barragens.

Então, poucos dias depois da triste assembleia, morre assassinado, o filho do Munduruku vice-prefeito. Quem matou o rapaz? Foi algum colega intrigado? Foi uma bala de fuzil? Ainda não se sabe, só uma perícia séria e transparente iria fazer um diagnóstico correto, mas lá em Jacareacanga não há tal equipe de peritos.

Independente do resultado da perícia, essa morte do jovem Munduruku, filho do vice-prefeito, ligado ao prefeito que iludiu muitos caciques, dividindo as lideranças Munduruku, tem tudo a ver com a tensa situação provocada pela ditadura presidencial. As desgraças previstas com as hidroelétricas no Tapajós já começaram a dar sinais. A segurança e a paz das populações do Tapajós já não existem. E mais desgraças virão!

Veja também:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Desgraças previstas com as hidrelétricas no Tapajós começaram a dar sinais" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU