Bergoglio, um papa sem medo, tanto no Vaticano, como no Rio de Janeiro

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Mudanças climáticas: uma oportunidade para a teologia se libertar do passado. Artigo de Bruno Latour

    LER MAIS
  • O extermínio na hora do almoço. Artigo de Corrado Augias

    LER MAIS
  • Pedofilia, relatório sobre a diocese de Ratzinger: 497 vítimas. O Papa Emérito é acusado de negligência em 4 casos. Santa Sé: “Vergonha”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Jonas | 26 Julho 2013

“Se não tem medo no Vaticano, por que terá aqui?”. Marina está feliz. Acaba de chegar de Buenos Aires, depois de mais de 50 horas de viagem num ônibus, junto com outras centenas de jovens que não queriam perder por nada no mundo o encontro, no Rio de Janeiro, com seu compatriota Francisco. Ela, com 18 anos, fazia parte da multidão que na segunda-feira à tarde cercou Jorge Mario Bergoglio no trajeto do aeroporto à Catedral. Marina disse que, embora as imagens retransmitidas ao vivo por um helicóptero da televisão pudessem causar preocupação e até medo, a sensação sobre o fato é muito diferente.

 
Fonte: http://goo.gl/OcunQ9  

A reportagem é de Pablo Ordaz, publicada no jornal El País, 23-07-2013. A tradução é do Cepat.

“As pessoas não esperavam ver o Papa tão de perto, num carro pequeno, com o vidro aberto, sorrindo, e houve uma reação lógica, festiva, de ir abraçá-lo. Contudo, eu garanto que em nenhum momento houve perigo. Como o Papa vai ter medo das pessoas que o querem?”.

A resposta não é tão simples. Dias antes da chegada do Papa ao Brasil, vinha se falando do difícil equilíbrio entre os anseios de Bergoglio – nada de carros blindados, nem de ruas tomadas militarmente – e a lógica preocupação daqueles que precisam garantir sua segurança numa cidade e num país envolvidos num contínuo protesto, unido ao seu crônico problema de segurança para os cidadãos. Embora o papa Francisco tenha uma mensagem de ruptura, mais próxima dos indignados do que daqueles que os governam, dos pobres do que daqueles que se beneficiam da desigualdade, não deixa de ser um chefe de Estado e o líder de uma Igreja que representa, como nenhuma outra, o poder e a riqueza.

Os incidentes de segunda-feira – provocados por um erro eventual daqueles que deveriam abrir-lhe o caminho entre o aeroporto e a Catedral – serviram, não obstante, para reforçar a imagem de simplicidade de quem, seja entre as pessoas que o querem ou entre as intrigas vaticanas, não perde o sorriso, nem a determinação.

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) – que foi inaugurada oficialmente, na terça-feira, com uma missa na praia de Copacabana e com 355.000 inscritos – supõe para o Papa uma baforada de ar fresco em relação aos dias difíceis vividos no Vaticano. A detenção de monsenhor Nunzio Scarano, envolvido junto com um agente da bolsa e um antigo espião numa operação de tráfico de dinheiro sujo, e as notícias que revelam o passado obscuro de dom Battista Ricca, seu recém-nomeado homem de confiança no Instituto para as Obras de religião (IOR), deixam claro que os venenos que amargaram os últimos dias de Bento XVI não desapareceram. Muito pelo contrário. Joseph Ratzinger era um intelectual tímido, isolado e bloqueado pela Cúria. Jorge Mario Bergoglio, ao contrário, já deu mostras de que não tremerá o pulso na hora de reformar ou eliminar, caso necessário, o banco do Vaticano ou as viciadas estruturas econômicas do Vaticano.

Para ninguém do entorno de Francisco passou despercebido que, na segunda-feira pela manhã, quando subiu as escadarias do avião que o traria para o Rio de Janeiro, ele carregava pessoalmente uma volumosa maleta preta com sua documentação pessoal. Essa que, ainda, não pode confiar a ninguém. No seu retorno para Roma, continuará mudando, enquanto o deixarem, as vigas enfermas da Igreja.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bergoglio, um papa sem medo, tanto no Vaticano, como no Rio de Janeiro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV