''Nós o removemos do cargo, mas há muito o que mudar na gestão dos bens da Santa Sé''

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • A fé que ressurge do secularismo e do vírus. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

01 Julho 2013

"O dicastério vaticano que administra os imóveis da Igreja não tem nenhuma responsabilidade nessa história. Embora o Mons. Scarano tivesse um papel importante nesse escritórios". O cardeal Domenico Calcagno é presidente da APSA, a Administração do Patrimônio da Sé Apostólica, o dicastério vaticano que gerencia os imóveis da Santa Sé e onde até recentemente o Mons. Scarano desempenhava o delicado cargo de responsável da seção de Contabilidade Analítica.

A reportagem é de Orazio La Rocca, publicada no jornal La Repubblica, 29-06-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Cardeal Calcagno, Scarano, um dos seus colaboradores mais próximos, está preso sob a acusação de corrupção e fraude.

É uma história que só causa dor, mesmo que eu possa assegurar com toda a consciência que a APSA não tem nada a ver com essa história.

Mas as acusações que pendem sobre Scarano, se forem fundamentadas, serão infames para ele e incômodas para a instituição pontifícia para a qual ele trabalhava.

Eu sinto desconforto e sofrimento, especialmente por ele. Sem querer de forma alguma entrar no mérito da investigação na qual os magistrados estão trabalhando, do ponto de vista humano, não se pode não sentir dor e perplexidade.

Como presidente da APSA, o senhor não está preocupado que as acusações que caíram sobre o responsável da contabilidade do seu escritório também possam manchar a imagem do Vaticano?

Repito: a APSA não tem nada a ver com essa história. Assim como ela não está envolvida em nada, direta ou indiretamente, nas acusações que os investigadores fazem ao Mons. Scarano. Também deve ser lembrado que o próprio monsenhor, há cerca de um mês, foi demitido do seu cargo como contador responsável da APSA assim que veio à tona o seu envolvimento na investigação iniciada pela magistratura sobre os supostos casos de lavagem de dinheiro. À espera de que tudo fique esclarecido, suspendemo-lo necessariamente de todo encargo.

A prisão ocorreu poucos dias depois que o Papa Francisco, para renovar as instituições vaticanas, lançou a segunda das duas comissões pontifícias, a que deverá levar transparência ao IOR.

E como podemos compartilhar a insistência na renovação das instituições pontifícias e a exigência de clareza e de transparência em todos os níveis que se captam nas palavras do Santo Padre? É um grande mérito que lhe deve ser reconhecido, e todos devemos ficar próximos dele, ajudá-lo, agradecidos pelo zelo pastoral com o qual deu vida ao seu pontificado com palavras, gestos e posicionamentos que logo abriram espaço nos corações de todos, crentes, não crentes, fiéis de outras religiões.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''Nós o removemos do cargo, mas há muito o que mudar na gestão dos bens da Santa Sé'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU