''Contaminado pelo feminismo radical''?

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • A guerra de Putin e Kirill. “O pluralismo religioso nunca foi um problema para a democracia, mas hoje o pluralismo ético moral é para as democracias.” Entrevista com José V. Casanova

    LER MAIS
  • Ucrânia, Terceira Guerra Mundial e o guia do Papa Francisco para a Igreja. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS
  • Das cinzas da hiperglobalização pode surgir uma globalização melhor. Artigo de Dani Rodrik

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Abril 2013

É simplesmente impossível ser realmente comprometido com os pobres e não se dedicar a fazer algo para mudar o papel e o status das mulheres no mundo.

A opinião é da irmã beneditina norte-americana Joan Chittister, copresidente da Global Peace Initiative of Women, organização internacional parceira da ONU em temas de paz e mulheres. O artigo foi publicado no sítio National Catholic Reporter, 24-04-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

A BBC recém me ligou, um incidente que, por si só, pode ser uma medida da grande importância da situação. É um momento estranho na história: de repente, todo mundo, ao que parece, quer saber o que está acontecendo com as religiosas e o que elas podem fazer em seguida. "Em seguida", é claro, significa o que elas podem fazer agora que o Vaticano está novamente questionando tanto a sua inteligência quanto a sua fé.

De fato, qualquer jornalista que se preze poderia pular essa história? Depois de milhares de anos de serviço e de entrega da vida à Igreja em nível de pobreza – construindo suas escolas, seus orfanatos, seus hospitais, seus postos missionários, seus refeitórios, suas casas para os indigentes, seus centros de catequese –, as religiosas ficam sabendo que o problema do seu trabalho é que ele foi "contaminado pelo feminismo radical". E isso por um grupo de homens cuja chance de saber o que significa o termo "feminismo radical" é, obviamente, quase zero.

Então, o que está acontecendo, especialmente neste que parece ser um momento de grande mudança na Igreja dos autocratas e dos monarcas para a Igreja de Jesus que caminhava entre as pessoas e as amava?

Bem, de um lado, o que está acontecendo é a mesma coisa que vem acontecendo há mais de 1.500 anos: as religiosas em toda parte estão trabalhando com o povo, ouvindo as suas histórias, tentando satisfazer as suas necessidades, tendo uma presença nas suas vidas, simplesmente tentando em ser o rosto carinhoso de uma Igreja misericordiosa – as seus ministras no meio da confusão. Não as suas dogmatizadoras, nem as suas juízas, apenas testemunhas do Evangelho do amor incondicional.

Em outro nível, o que está acontecendo agora é um misterioso trabalho em andamento. Essa chamada "avaliação" da vida das religiosas e da Leadership Conference of Women Religious nos Estados Unidos é um processo que começou muito antes deste papado e assim, talvez, será difícil de parar no meio do caminho.

Pode ser difícil parar o processo por razões de política papal pessoal. Ou talvez seja difícil em razão da quantidade de trabalho já despendido. Ou talvez seja difícil parar sem resolução por medo de deixar feridas purulentas que provavelmente irão abrir de novo, por capricho e fantasia, sem qualquer causa ou aviso. Em todo caso, toda a renovação desses esforços pode muito bem ser benigna e sem problema, fortalecida pelo aumento da compreensão, e o primeiro sinal de um veredito "essas são as minhas amadas filhas em quem me comprazo" que as irmãs nunca ouviram desde o Concílio Vaticano II.

Por outro lado, o anúncio tem algumas dimensões muito preocupantes. Em vez de planejar para "concluir a avaliação" ou "continuar o diálogo", o relatório diz que este novo papa revisou e consentiu com o presente "plano de reforma". Assim, parece que o plano é que a Igreja estabeleça uma curadoria fictícia que deixa uma organização de 57 mil religiosas sendo gerida por três homens. Caso encerrado. Criminalidade espiritual determinada. Tomada de posse hostil completa. Membros privados de direitos. Órgão apenas como outra extensão de Roma. Sua criatividade suprimida; seus antolhos garantidos; seu estudo de novas questões e ideias monitorado; sua voz pelos pobres emudecida pelas agendas pessoais de três homens.

Então, por que se preocupar em ter uma guarda avançada entre as pessoas, se a Igreja realmente não quer saber das necessidades das pessoas, para começo de conversa? Se as irmãs têm sido alguma coisa nestes anos pós-Vaticano II, elas têm sido, no mínimo, uma ponte entre as pessoas das ruas e as pessoas das sacristias.

E qual é a razão dada para continuar o controle externo da LCWR? Porque, dizem eles, o trabalho das religiosas foi "contaminado pelo feminismo radical". Bem, se trabalhar para elevar o papel e o status das mulheres em todo o mundo é um trabalho contaminado, então somos obviamente acusadas como culpadas. Afinal de contas, as religiosas foram as primeiras pessoas na Igreja a montar escolas para educar meninas católicas. A única diferença é que nós não fazemos isso porque estamos "contaminadas pelo feminismo radical"; fazemo-lo porque esse é o centro do Evangelho.

Isso foi modelado pelo Jesus que caminhou com mulheres e salvou a mulher apanhada em adultério, e curou a mulher cananeia e levantou uma menina dos mortos. Ele trouxe de volta à vida uma menininha que, pela verdadeira razão da sua feminilidade, era considerada inútil naquela sociedade – e em muitas sociedades agora, e em todas elas de alguma forma. Qual a melhor forma de demonstrar o valor real de uma mulher do que trazê-la para a vida de novo, apesar do desprezo ao seu redor? E quando esse tipo de trabalho evangélico se torna inaceitável na Igreja, por que se preocupar com isso?

"Você tem alguma esperança diante de tudo isso?", perguntou-me o repórter da BBC. E eu respondi, sem hesitar: "Absolutamente, sim". Mas como você consegue?, continuou o repórter. "Fácil", eu disse. "A Igreja tem agora como seu modelo, ao que parece, um homem que está comprometido com os pobres".

E o que isso tem a ver com esse assunto? Tudo, eu acho. Afinal, quem são os pobres?

É impossível dizer que você está comprometido com os pobres e não saber que dois terços dos famintos do mundo são mulheres que recebem apenas as sobras depois que seus maridos e filhos comeram; dois terços dos analfabetos do mundo são mulheres escravizadas por sua falta de instrução como propriedade dos homens; dois terços dos mais pobres dos pobres, de acordo com estatísticas da ONU, são mulheres. E todas elas ignoradas, rejeitadas e omitidas até mesmo da linguagem e do desenvolvimento teológico oficial da Igreja. O que vale para a vida vale para o batismo.

É simplesmente impossível ser realmente comprometido com os pobres e não se dedicar a fazer algo para mudar o papel e o status das mulheres no mundo.

Como demonstra com clareza sóbria o desenvolvimento do Relatório Shriver sobre as mulheres, a ser lançado em janeiro de 2014, investir nas mulheres é fortalecer seus maridos e filhos, suas famílias e nações, seu nível econômico e status social, suas instituições e suas contribuições intelectuais para o mundo em geral.

De onde eu me encontro, se isso é ser "contaminado pelo feminismo radical", então, finalmente, finalmente, deixemos que o Evangelho comece esta Igreja por inteiro.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''Contaminado pelo feminismo radical''? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV