Para médico do Sírio, Cuba foi opção por sigilo

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Holodomor não está distante no tempo nem no espaço

    LER MAIS
  • “Estamos em um mundo sem direção política”. Entrevista com José Mujica

    LER MAIS
  • Amazônia e a bioeconomia: modelo sustentável com a floresta em pé

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Março 2013

A escolha do presidente Hugo Chávez de realizar o tratamento de câncer em Cuba, recusando convites do Brasil e em detrimento de unidades hospitalares da própria Venezuela, deveu-se muito mais ao aspecto ideológico e político do que medicinal, analisam especialistas ouvidos pelo Valor.

A reportagem é de Raphael Di Cunto e publicada pelo jornal Valor, 07-03-2013.

O oncologista Raul Cutait, integrante da equipe do Sírio Libanês que tratou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente Dilma Rousseff de câncer, diz que o hospital foi consultado para cuidar do venezuelano, mas Chávez desistiu para manter em sigilo seu estado de saúde. "Ele não veio porque percebeu que não haveria a possibilidade de fazer tudo tão escondido como foi feito por todo esse tempo."

A declaração de Cutait, que não dá detalhes da negociação nem da doença, confirma os rumores de que Dilma e Lula ofereceram ajuda a Chávez, que preferiu tratar-se em Cuba, onde o controle de informações é maior - sequer sabe-se com certeza qual foi o tipo de câncer que vitimou o presidente.

Para a professora de medicina Lígia Bahia, da Universidade Federal do Rio Janeiro (UFRJ), a escolha por Cuba foi ideológica, para mostrar os avanços da "revolução socialista" na medicina, e política - ele enfrentaria uma eleição e a saúde frágil criaria incerteza nos eleitores. "Os protocolos de atendimento de câncer são internacionalizados e o tratamento é praticamente o mesmo em todo o mundo. Não faria tanta diferença ser tratado no Brasil ou em Cuba", diz.

Segundo Lígia, mesmo os hospitais da Venezuela seriam adequados. "A Venezuela também tem centros de referência, com ótimos cirurgiões e oncologistas. Mas lá seria impossível guardar o sigilo."

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para médico do Sírio, Cuba foi opção por sigilo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV